Mistério na Emurb: mesmo com ruas esburacadas, empresa gasta R$ 97 milhões em 2018, quase o dobro que gestões anteriores

0
Atual direção da Emurb, Marcão e Humberto, foram escolhidos por Socorro Neri

Na contramão das queixas dos moradores de Rio Branco que reclamam da quantidade de buracos na malha viária da capital acreana, a Empresa Municipal de Urbanização de Rio Branco (Emurb) empenhou, se obrigou a pagar em 2018, um valor que beira os R$ 100 milhões de reais, praticamente o dobro do gasto nos exercícios dos dois últimos anos anteriores juntos.

Enquanto em 2016, ano em que as contas da empresa estão em análise jurídica por conta da suspeita de desvios praticados pela gestão de Jackson Marinheiro, preso em setembro daquele ano, o valor empenhado foi de R$ 64 milhões, cerca de R$ 30 milhões a menos do que o mega gasto efetuado pela gestão de Marco Antônio Rodrigues, o “Marcão”, empossado pela prefeita de Rio Branco, Socorro Neri, em 2018, ano em que a empresa municipal voltou a usinar.

Confira os gráficos divulgados no Portal de Transparência que comprovam aumentos nos gastos da Emurb em 2018:

O Portal de Transparência da Prefeitura de Rio Branco mostra os gastos ascendentes da empresa pública, mantida com recursos dos munícipes. Em 2016, sendo que em 10 meses a empresa estava sob a gestão de Jackson Marinheiro, réu por desvio de recursos do referido órgão, o valor empenhado foi de R$ 64 milhões. Já em 2017, sob o comando do procurador Edson Rigaud, designado para a função para iniciar uma espécie de “moralização” da empresa pública, os gastos foram de R$ 49 milhões. Em 2018, sob nova direção escolhida por Socorro Neri, a Emurb disparou nos gastos e empenhou um valor de quase R$ 98 milhões.

Ruas de Rio Branco estão esburacadas mesmo a Emurb tendo aumentado gastos com pavimentação

Novos gastos e velhos buracos

Enquanto a Emurb praticamente dobrou os gastos, os buracos na malha viária de Rio Branco continuam sendo alvo de críticas dos moradores nos quatro cantos da cidade . O jornalista Floriano Oliveira utilzou as redes sociais na segunda-feira (7) para denunciar que os moradores das proximidades do conjunto Manoel Julião correm risco de serem vítimas de acidentes por conta das crateras formadas em ruas bastante movimentadas na região.

“As pessoas sobem nas calçadas, que nem sequer existem mais, para tentar se salvar de acidentes. Não são buracos pequenos, são crateras. O que nos preocupa é que pessoas sejam vitimadas. Pedimos ajuda da prefeitura. Já fizemos esta denúncia antes e nada foi feito. Alô, prefeitura nos socorra”, pediu o jornalista no vídeo.

Veja o vídeo:

A julgar pela quantia de dinheiro empenhado não é por falta de recursos que as ruas do conjunto Manoel Julião e outros bairros de Rio Branco sofrem com a falta de reparos e asfalto de qualidade.

Se comparado em termos de proporção, pode-se dizer que a Emurb utiliza a mesma quantia de recursos que resultaram na recuperação e reconstrução de 400 quilômetros da BR-364, trecho entre Rio Branco e Cruzeiro do Sul, cujo valor licitado para a obra foi de R$ 230 milhões.

Ruas da capital estão tomadas por buracos

“Em 1 ano a prefeitura gastou, através da Emurb, praticamente a metade do valor utilizado, pelo governo federal, para recuperação e reconstrução de uma mega trecho da BR 364, trecho que compreende de Sena Madureira a Cruzeiro do Sul. Com a mesma quantia que se afastou milhares de quilômetros a prefeitura de Rio Branco sequer arrumou o centro de Rio Branco com qualidade, que dirá os bairros. A Emurb tem atuado só em manutenção e não na solução de problemas”, diz um engenheiro que não quis ser citado.

Vale ressaltar que mesmo com os recursos milionários empenhados pela Emurb, Rio Branco não trabalha no momento com nenhuma obra de grande impacto, que porventura pudesse justificar as gordas quantias empenhadas. Não há licitação e nem projetos para construção de pontes, viadutos ou qualquer obra de grande porte.

Somente em 2018 a Emurb gastou o equivalente ao usado em dois anos, 2016 e 2017, na gestão de Marcus Alexandre

Tribunal de Contas e a versão da prefeitura

A reportagem da Folha do Acre procurou o Tribunal de Contas do Estado (TCE) para obter informações a respeito das contas da Emurb, mas sequer foi recebida por qualquer um dos conselheiros. Por meio de nota, o TCE informou que ainda não pode se manifestar, pois as contas ainda estão, segundo os conselheiros, em análise.

“Sobre as contas da Emurb, as contas do ano de 2015 ainda estão em processo de análise e sobre 2018 ainda está dentro do prazo. As informações sobre os processos somente são autorizadas após o julgamento dos mesmos. Esta resolução foi aprovada em 27 de setembro de 2018 e alterou o 2º Art. da Resolução TCE/AC nº 77/2012”, diz trecho da nota.

A reportagem entrou em contato com Marco Antônio, diretor da Emurb, mas ele não se manifestou sobre o caso. A assessoria de imprensa da prefeitura também foi questionada, mas até o fechamento desta matéria não houve resposta. O espaço segue aberto para os devidos esclarecimentos do gestor quanto da prefeitura.

Comentários

comentários