Gladson volta a negar saldo de R$ 1 bilhão e diz que Tião Viana deixou apenas R$ 8 milhões em caixa

0

A administração estadual do governador Gladson Cameli (PP) desmentiu informações de que teria mais de R$ 1 bilhão em conta, já que o governo passado deixou apenas R$ 8 milhões em caixa. Na Assembleia Legislativa do Estado do Acre, o diagnóstico das finanças do Estado foi mostrado aos parlamentares para que não pairassem dúvidas sobre a desinformação de que o Estado teria R$ 1,23 bilhão sobrando em caixa.

Aos deputados foi mostrado que de R$ 1 bilhão, pelo menos R$ 250 milhões são destinados aos poderes. Além disso, é dele que sai também o valor repassado diretamente ao Fundo da Educação Básica, o Fundeb. Há ainda a fatia do Sistema Único da Saúde, além do que os recursos para operações de crédito, convênios e fundo de competências previdenciários.

No saldo do Tesouro Estadual ficará então R$ 250 milhões, justamente o que tinha em saldo até o dia 30 de abril, mas ainda com outras vinculações

Dos R$ 250 milhões remanescentes estão os recursos específicos para o Deracre, os royalties do petróleo, o salário da Educação e os rendimentos operacionais de crédito, recursos que só podem ser usados dentro das operações de créditos.

O que ficou foram R$ 170 milhões que, no entanto, não sobraram. Não sobraram porque dia 30 de abril houve o pagamento da parcela do 13º escalonado dos servidores mais o salário do mês.

Há ainda os encargos sociais dos fornecedores e provisionamento de 25% da Educação. São R$ 130 milhões de resto a pagar processados e não processados, sendo que o governo da gestão passada deixou, no dia 2 de janeiro, apenas R$ 8 milhões.

O desembolso inesperado de R$ 40 milhões – Um dos maiores revezes na conta do estado se deu em maio, quando a gestão do governador Gladson Cameli teve que desembolsar R$ 41 milhões de um débito de empréstimo do Banco Interamericano de Desenvolvimento, o BID, de forma inesperada. A dívida, feita por conta da irresponsabilidade dos gestores passados, teve de ser honrada no dia 13 de maio.

A reconquista do certificado de adimplência no Tesouro Nacional – O governo reconquistou o certificado de adimplente junto à Secretaria do Tesouro Nacional (STN) após esforços da equipe econômica da Secretaria de Fazenda (Sefaz). O estado havia sido caracterizado como inadimplente junto ao STN devido principalmente a atrasos no pagamento de dívidas com ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) em dois momentos, um em 2017 e outro no final de 2018, contraídas ainda na gestão anterior.

O STN reafirmou que as dívidas não precisaram de garantias de honra por parte da União, realçando o Acre a condição de bom pagador. Assim, após a revisão, a STN declarou o Acre adimplente com a União, abrangendo o compromisso de todas as obrigações estabelecidas nos contratos de financiamento e refinanciamento concedidos ao Estado.

Ascom

Comentários

comentários