Criminoso suspeito de chefiar facção morre em confronto com a PM no Acre

0

Vanderson da Rocha, de 27 anos, estava sendo procurado pela polícia de três municípios do Vale do Juruá e morreu em confronto com a PM ao resistir a prisão nas imediações das cidades de Cruzeiro do Sul e Rodrigues Alves.

Ele era suspeito de ser chefe de uma organização criminosa e de praticar vários crimes em Porto Walter e teria tentado matar uma mulher no último domingo (17).

Segundo a polícia, Rocha morava em Cruzeiro do Sul e no ano passado foi para Porto Walter com a finalidade de comandar as ações de uma organização criminosa onde teria praticado vários crimes.

Ao chegar no porto de Rodrigues Alves, o suspeito era aguardado por uma equipe da PM que tentou prendê-lo, mas não conseguiu. De acordo com a PM, ele teria apontado a arma para o condutor do barco que o conduzia de Porto Walter e obrigou o homem a seguir para o outro lado do rio para não ser capturado pela polícia de Rodrigues Alves.

Outra equipe da PM de Cruzeiro do Sul, que estava na outra margem do rio, tentou abordá-lo quando ele deixava a pequena embarcação e tentava se embrenhar na mata. De acordo com o major Evandro Bezerra, o suspeito teria efetuado um disparo contra os policiais que revidaram.

“O indivíduo estava vindo de Porto Walter em procedimento de fuga, extremamente perigoso, e ao perceber a presença da nossa guarnição, ele empreendeu fuga para uma região de vegetação e quando os policiais anunciaram a prisão do mesmo, ele de posse de arma de fogo não se rendeu e efetuou um disparo contra a guarnição. Então, em legítima defesa, um policial efetuou um disparo e atingiu o indivíduo”, disse o comandante da PM.

O suspeito foi atingido com apenas um disparo na região do tórax. Ele ainda foi atendido por uma equipe do Samu, mas não resistiu e morreu no local do confronto. O revólver usado pelo suspeito foi apreendido com um cartucho deflagrado e mais quatro munições intactas.

Na manhã desta terça-feira (19), o delegado Lindomar Ventura disse que a Polícia Civil considera como legítima a ação da PM.

“Temos investigações em andamento para apurar a participação do suspeito em organização criminosa e pela ação contra uma vítima de uma tentativa de homicídio praticada por ele em Porto Walter. Essas informações estão sendo juntadas ao inquérito que apura a morte dele. De modo que a gente observa que foi uma ação legítima da Polícia Militar e os fatos serão esclarecidos. Já estamos trabalhando com laudos técnicos e depoimentos dos policiais que participaram dessa ação”, disse Ventura.

Fonte: G1/AC

Comentários

comentários