Mesmo debilitado, Hildebrando é levado a Júri, mas não é ouvido por crime de mais de 20 anos

0

O ex-deputado e ex-comandante da Polícia Militar do Acre, Hildebrando Pascoal, chegou ao Fórum Criminal, em Rio Branco, na manhã desta quarta-feira (11), para ser ouvido pela Justiça do Piauí por ter planejado a morte de José Hugo em 1997, homem que matou seu irmão no anterior.

Porém, o julgamento foi suspenso porque Justiça do Piauí pediu o adiamento do julgamento por não ter recebido, em tempo hábil, a cópia do processo.

O processo corre na Vara Única da Comarca de Parnaguá (PI) e a sessão vai ser presidida pelo magistrado José Sodré Ferreira Neto e conta com apoio do Tribunal de Justiça do Estado do Acre (TJ-AC).

O advogado Valdir Perazzo acompanhou o acusado, mas disse que só o acompanhou, mas a defesa deve ser feita também no PI.

Além de Pascoal, o ex-policial Raimundo Alves, mais conhecido como “Raimundinho”, acusado de envolvimento no mesmo crime, também deve ser ouvido. Os dois chegaram ao fórum logo nas primeiras horas da manhã e entraram pela parte de trás do prédio. Agora, o júri avalia se continua ou não o julgamento de Alves.

Por videoconferência, eles seriam interrogados durante o júri popular, que ocorre no Tribunal de Justiça do Estado do Piauí (TJPI). A sessão estava marcada para começar às 6h [horário do Acre], mas foi passada para às 8h [horário do Acre]. Nenhum magistrado deve acompanhar o julgamento.

Pascoal, que já é condenado por liderar um grupo de extermínio que atuou no Acre na década de 90, agora vai ser julgado por ter matado José Hugo por vingança pela morte de seu irmão.

Em 30 de junho de 1996, Itamar Pascoal, irmão de Hildebrando, foi morto com um tiro por José Hugo durante uma discussão em um posto de gasolina e Agilson Santos Firmino, conhecido por “Baiano”, presenciou a cena.

A partir disso, Pascoal, que era coronel da PM, teria agido por vingança, conseguindo localizar o assassino do irmão em janeiro de 1997 na fazenda Itapoã, no município de Parnaguá (PI).

Com informações do G1

Comentários

comentários