Doze pedidos de abertura de garimpo no Juruá são indeferidos pelo DNPM

0
Em junho, a bancada federal acreana reuniu-se com representantes do DNPM e o Ministro das Minas e Energia para solicitar o indeferimento do pedido

O Departamento Nacional de Produção Mineral – DNPM indeferiu todos os DOZE requerimentos de lavra garimpeira pela Cooperativa de Garimpeiros de Ponte e Lacerda (MT) na região do Juruá. A decisão consta no Diário Oficial desta terça-feira. A maioria dos requerimentos haviam sido feito em dezembro de 2016, causando a imediata suspensão da atividade das olarias e areais de Cruzeiro do Sul e região. Os pedidos abrangeram áreas de Cruzeiro do Sul, Rodrigues Alves e Mâncio Lima.

A população do Juruá somente tomou conhecimento do pedido de garimpo após a empresária do ramo de cerâmica, Janaína Terças, trazer ao conhecimento público por meio da câmara de vereadores de Cruzeiro do Sul. A maneira obscura como o assunto vinha sendo tratado, sem o conhecimento da sociedade causou indignação popular. Seguiu-se uma audiência pública na câmara de vereadores, em que o representante da cooperativa, identificado como ‘Goiano’ afirmou ter a cooperativa o conhecimento da existência de ouro na região, algo que nunca foi confirmado.

Em junho, a bancada federal acreana reuniu-se com representantes do DNPM e o Ministro das Minas e Energia para solicitar o indeferimento do pedido.

A paralisação parcial da exploração de jazidas de barro e areia trouxeram transtornos aos empresários do setor e ao ramo da construção civil em nossa cidade. A suspeita de que o pedido de lavra teria sido apenas uma forma de cobrar ‘arrendamento’ dos empresários foi endossada por proposta feitas individualmente nesse sentido a empresários do setor.

Janaína Terças: empresária mobilizou sociedade e políticos contra o garimpo

‘Somos um Povo Guerreiro’

Pelo WhatsApp, a empresária Janaína Terças comunicou a decisão e comemorou como uma vitória da sociedade juruaense. “A imprensa move a grande massa, cidadãos, políticos, pessoas que ouvem e que podem mudar a realidade. Somos um povo guerreiro!” escreveu.

A partir de agora os empresários do setor devem buscar sua regularização junto ao órgão federal o mais urgente possível: “a área que estava onerada por essa cooperativa de garimpeiros agora está livre”, disse.

Por Leandro Altheman, do Juruá em Tempo

Comentários

comentários