Connect with us

Rio Branco, Acre,

 

Polícia

Polícia identifica advogada “mensageira do crime” que mediou conflitos entre B13 e CV no Acre

Publicado

on

A Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (DRACO) já identificou quem é a advogada que vem promovendo o crime organizado no Acre, orbitando de forma audaciosa entre as facções rivais Bonde dos Treze e Comando Vermelho desde julho de 2020. Uma investigação de dez meses está em fase de conclusão com pedido de prisão preventiva, busca e apreensão e quebra de sigilos telefônicos na mesa da Justiça.

A investigação visou a identificação de integrantes da organização criminosa Bonde dos Treze. O longo caminho que vem sendo percorrido pelos investigadores começou em julho do ano passado, quando policiais civis deram cumprimento a ordem de busca e apreensão na residência de Luiz Viana dos Santos, membro do Bonde dos Treze.

Com a quebra do sigilo telefônico autorizada pela Justiça, o Departamento de Polícia Técnico Científica, periciou o aparelho celular apreendido na operação de busca. A extração de dados faz parte do laudo nº 1250/2020 que embasou a representação encaminhada ao Ministério Público e ao Poder Judiciário.

Preso em flagrante por integrar organização criminosa, Luiz Viana, embora tenha negado a prática do crime, tinha no aparelho celular uma série de dados que apontavam para sua culpabilidade. Através das provas extraídas foi possível identificar que ele pertencia ao grupo “Liderança B13/5L”. Viana fazia pagamentos mensais ao Bonde dos Treze, comprovando a sua participação na organização.

A Justiça também concedeu autorização para busca e apreensão na casa da advogada, cujo nome será mantido em sigilo para não comprometer a conclusão das investigações. A comprovação da participação da defensora consta no relatório 199/2020. No dia 17 de julho de 2020, ela teve acesso aos presos Lucas de Freitas Murici (Conselheiro do Bonde dos Treze) e Selmir da Silva Almeida (Conselheiro do Comando Vermelho).

Nas conversas periciadas do telefone da advogada, a DRACO descobriu que a missão dada a ela “era diminuir um conflito de interesses das organizações, referente a possíveis ameaças contra mulheres de presos, identificadas como cunhadas”, diz o relatório.

Em consulta feita ao Sistema de Automação Judiciária (SAJ) do Tribunal de Justiça do Estado do Acre, os investigadores perceberam que a advogada não fazia a defesa de nenhum dos réus rotineiramente visitados extrapolando os seus serviços advocatícios.

“Tal fato extrapola os serviços advocatícios. Resta nítido que a advogada, a qual por outras vezes teve acesso ao preso Lucas de Freitas Murici, atua como mensageira da organização criminosa”, diz a representação na pág. 32.

Vários encontros foram registrados com o réu Lucas de Freitas Murici. Segundo relatório , Lucas nunca foi defendido pela advogada mensageria, e sim, legalmente, pelo advogado Fladeniz Pereira da Paixão.

A advogada percorreu várias vezes um longo caminho desde a sua residência em Rio Branco até o presídio de segurança máxima Antônio Amaro. A reportagem por medida de segurança preservou o endereço da indiciada.

A investigação liderada pelo delegado Pedro Buzolin aponta a atuação dos líderes do Bonde dos Treze e do Comando Vermelho em pelo menos 100 bairros de Rio Branco e a extensão das organizações pelos municípios de fronteiriços como Plácido de Castro, Capixaba, Cruzeiro do Sul, Porto Walter, Marechal Thaumaturgo, Rodrigues Alves, Jordão, Tarauacá, Feijó e Santa Rosa do Purus. Foi comprovada a participação de menores nas organizações criminosas.

Os investigadores querem descobrir até onde vai a atuação da defensora que poderá ir para trás das grades a qualquer momento e se existe o envolvimento de mais advogados atuando na promoção dos dois grupos rivais no Acre.

Segundo a investigação, a suposta atuação desses advogados vai desde o “Conselho Final” (primeiro escalão do crime) até o terceiro escalão conhecido como “Frente dos Bairros” onde ficam os pontos de vendas de drogas e o recolhimento de pagamentos.

A advogada identificada nessa fase da investigação atuava desde de dentro dos presídios em contato com membros do “Conselho Final” – réus presos – com réus em regime semiaberto que fazem parte do chamado “Conselho Rotativo” e na Frente dos Bairros dominados pelas facções.

Ac24horas

Publicidade

Facebook

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas