Ossada humana encontrada no Taquari é da adolescente Amanda Santos, diz perícia

0

A Polícia Civil através da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) confirmou em entrevista na manhã desta quinta-feira (18) na Delegacia de Investigações Criminais (Dic) no bairro Cadeia Velha em Rio Branco, que a ossada achada em uma região de mata nos fundos da Fazenda Monte Mário, na Avenida Chico Mendes, no dia 23 de agosto é realmente da adolescente Amanda Gomes de Souza, de 14 anos, que desapareceu no dia 5 do mesmo mês, com os outros dois amigos encontrado mortos no bairro Taquari. A confirmação foi feita por um exame de DNA.

De acordo com o diretor-geral do Departamento de polícia Técnico Cientifica, Elvis da Silva Mâncio, 17 amostras foram coletadadas dos restos mortais de Amanda, com objetivo de obter um resultado inquestionável para o esclarecimento do caso.

“Usamos as técnicas mais modernas que existem no mercado para que tivéssemos um resultado categórico e inquestionável. Foi uma análise muito complexa, mas tivermos um resultado satisfatório e bem claro onde não restou dúvidas de que os restos mortais apresentados para perícia são realmente da desaparecida Amanda”, afirmou o diretor.

As prisões

Francimar Conceição da Silva, 27 anos, e Clenilton Araújo de Souza, 26 anos, foram presos no dia 5 deste mês, eles são os acusados pelas mortes dos adolescentes Vitor de Lima, de 18 anos, Isabelle Lima, de 13 anos, e Amanda Santos, de 14 anos, após desaparecerem no dia 5 de agosto saírem da Expoacre. Os criminosos presos são moradores do bairro Taquari e membros de uma facção criminosa.

De acordo com o delegado Rêmulo Diniz, coordenador da (DHPP) as investigações apontaram que os crimes foram motivado por ciúmes de Francimar que se envolveu com uma das adolescentes.

“As vítimas e os criminosos são todos do mesmo bairro, Francimar teve um pequeno relacionamento com uma das adolescentes e como ela não quis ter um relacionamento mais sério com ele, ela resolveu aceitar o convite do Vitor para ir à exposição, esse criminoso ficou toda noite tentando encontrá-la ligando e vigiou quando ela voltou da Expoacre a pé junto com mais três amigos, uma das amigas foi recolhida pelo pai e os outros dois seguiram em companhia e infelizmente também foram vítimas da fúria desse criminoso”,disse o delegado.

Inquérito encerrado

Com o resultado, o delegado Rêmulo Diniz afirmou que o inquérito foi encerrado e vai ser encaminhado para a Justiça. Os acusados Francimar e Clenilton vão responder pelos crimes de organização criminosa, triplo homicídio podendo pegar uma pena de até 100 anos, ocultação de cadáver e vilipêndio.

Remulo disse, ainda, que as investigações vão continuar para saber se houve participação de terceiros na ocultação dos cadáveres.

“As investigações não param os principais autores dos crimes foram estes dois presos, eles tentaram esconder de todas as formas a responsabilidade deles ocultando os cadáveres e destruindo provas. Vamos prosseguir, se houver outras pessoas envolvidas chegaremos até eles”, concluiu o delegado.

Comentários

comentários