Negligência: bebês são trocados no necrotério da Maternidade Bárbara Heliodora

0
Mãe de bebê trocado chora e acusa hospital de negligência/Foto: Reprodução TV5

Uma família viveu uma situação na Maternidade Bárbara Heliodora, em Rio Branco, que além de muito triste foi também bastante constrangedora. Na manhã de segunda-feira (12), uma recém-nascida de apenas 9 dias morreu e o corpo da bebê foi trocado por outro no necrotério da maternidade pública de Rio Branco.

Em entrevista concedida à TV5, a dona de casa Ocelina Ferreira de Freitas, tia da bebê, explicou como tudo aconteceu. Ela é pontual ao afirmar que o corpo da sobrinha foi liberado para outra família e levado para outro velório, mesmo com os pais ou familiares não terem assinado nenhum documento.

“Eles trocaram a bebê, levaram a minha sobrinha para outro velório e o bebê que era pra ter ido pra esse velório deixaram aqui no necrotério”, disse a mulher emocionada e revoltada com tamanho descaso.

Após uma reunião com a tia da criança, a direção da maternidade resolveu conversar com a reportagem. A diretora Serlene Gonçalves, disse que o hospital não tem culpa e que o erro foi por parte dos funcionários da funerária Morada da Paz, que recolheram o corpo no necrotério e trocaram os bebês.

“Foi um erro da funerária, a Morada da Paz, que ela faz o fluxo final. A gente identifica o bebê através das faixas, e quando eles vem buscar eles tem acesso e tem que identificar através da “DN”, que é a declaração de nascimento e de óbito do bebê. Isso, acho que foi uma fatalidade, que eu nunca vi acontecer isso”, disse.

Procurada, a funerária Morada da Paz, preferiu não se pronunciar sobre o caso.

A dor de uma mãe

Dona Márcia da Costa, mãe da criança trocada no necrotério, ainda fragilizada devido ao parto cesária e pela perda da filha, conversou com a repórter Rose Lima. Chorando, ela relata que não a deixaram nem ao menos ver a filha antes de ser levada pelos funcionários da funerária. Márcia diz que a maternidade foi negligênte.

“É triste né, isso foi negligência desse hospital velho. Eles deveriam muito ir alí atrás mostrar pelo menos pra gente. Toda mundo tem o direito de abrir o caixão do filho e olhar, pra saber se estão levando o certo ou o errado. Depois de toda tristeza ainda ter que passar por isso, trocarem de bebê e tudo”, disse a mulher chorando.

Fonte: Jornal do Norte

Comentários

comentários