Connect with us

Rio Branco, Acre,

 

Saúde

Acre avançou para faixa amarela da covid porque reduziu número de pacientes internados

Redação Folha do Acre

Publicado

on

Em entrevista coletiva por videoconferência na tarde desta quarta-feira, 5, o governo do Acre, por meio da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre) e do Comitê de Acompanhamento Especial da Covid-19, anunciou a nova classificação de risco definida pelo Pacto Acre sem Covid, na qual todas as regionais do estado avançaram para o Nível de Atenção (Bandeira Amarela).

A mudança de bandeira no estado leva em consideração principalmente o cenário dinâmico de avanço e combate à pandemia da Covid-19. Se, no cenário inicial de propagação do novo coronavírus no Acre, com a infraestrutura do sistema público de saúde existente, o risco de colapso era iminente, hoje o Estado tem como resultado dos seus investimentos um avanço promissor de sua estrutura assistencial, totalizando 90 leitos de UTI e 352 leitos clínicos especificamente destinados à Covid-19.

Atualmente, as taxas de ocupação das UTI para Covid estão em 44% em todo o estado, enquanto as taxas de ocupação de leito clínico estão em 42%. A Sesacre também anunciou que a fila de exames para a doença foi zerada e que a partir de segunda-feira, 10, o Into passa a ser a referência para pacientes com suspeita de Covid-19, enquanto a UPA do Segundo Distrito volta a seus atendimentos-padrões, após desinfecção da unidade.

Além disso, das mortes registradas na última semana, 24 das que foram confirmadas nos últimos dias aconteceram entre maio e junho. A Sesacre revela que ainda há 53 óbitos com suspeita de Covid-19, cujos exames passarão por análise laboratorial. A próxima classificação de risco será anunciada no dia 19 de agosto.

Em vídeo em que chama a atenção da população para os cuidados de retomada, o governador Gladson Cameli destaca que os recentes números da pandemia podem dar uma falsa sensação de que o pior já passou, mas que para isso ocorra de verdade ninguém pode baixar a guarda, principalmente agora quando o Acre está tão perto de um resultado positivo.

“Em várias regiões do país e do mundo, quando as pessoas deixaram de prestar atenção aos cuidados, o vírus voltou. Não podemos deixar que isso aconteça aqui no nosso estado. O coronavírus está mudando para sempre o jeito com que vivemos e muitos dos cuidados precisam ser mantidos: o distanciamento social, uso de máscaras, a limpeza das mãos e a desinfecção de roupas, objetos e alimentos”, destaca o governador.

“Estamos fazendo um trabalho sério, responsável e transparente em todas ações. Agradecemos a todos os profissionais de saúde dedicados a este momento e que toda a sociedade acreana consiga cada vez mais vencer essa pandemia”, completa o secretário de Saúde e presidente do Comitê, Alysson Bestene.

O que pode e não pode abrir

Nesta nova classificação, todas as atividades comerciais permitidas durante a Bandeira Laranja devem manter as orientações sanitárias estaduais, os protocolos sanitários municipais e demais limitações impostas pela Resolução nº 02, de 3 de julho de 2020, do Comitê de Acompanhamento Especial da Covid-19.

Alguns setores devem ficar atentos à possibilidade de poder aumentar a capacidade de atendimento em relação ao previsto na fase anterior (Bandeira Laranja), em alguns casos chegando a 60% agora.

Entre as novidades do que poderá reabrir estão: bares, restaurantes, pizzarias, lanchonetes, sorveterias e similares, com capacidade de 50% do número de mesas, além da proibição de música ao vivo; restaurantes self-service deverão ter protocolo e autorização específicos. Teatros, cinemas e apresentações culturais também poderão voltar com capacidade de apenas 30%.

Eventos religiosos em templos ou locais públicos, de qualquer credo ou religião, inclusive reuniões de sociedades ou associações sem fins lucrativos poderão retornar com 30% da capacidade. Por fim, centros de formação e capacitação, estúdios de dança, escolas e estúdios de música, centros de formação de condutores de veículos automotores e similares também poderão reabrir com 30% da capacidade.

Continuam fechados durante a Bandeira Amarela: espaços públicos entre parques, quadras poliesportivas, campos de futebol comunitário, espaços destinados para atividades físicas e similares que ocasionam aglomeração de pessoas; academias de ginástica, clubes esportivos e de lazer e similares; além de não ser permitida a realização de eventos, feiras, seminários e congressos.

Vale ressaltar que o enquadramento dos estabelecimentos de ensino educacional regular (escolas de ensino fundamental e médio, universidades e centros universitários) e creches será realizado por meio de resolução específica do Comitê de Acompanhamento Especial da Covid-19.

Ajustes Metodológicos

De acordo com o método definido pelo Pacto Acre sem Covid, a classificação em nível de risco é realizada conforme a delimitação territorial das regionais de saúde do estado, a saber: Região do Alto Acre (Assis Brasil, Brasileia, Epitaciolândia e Xapuri), Baixo Acre e Purus (Acrelândia, Bujari, Capixaba, Jordão, Manoel Urbano, Plácido de Castro, Porto Acre, Rio Branco, Santa Rosa do Purus, Sena Madureira e Senador Guiomard) e a Região do Juruá e Tarauacá-Envira (Cruzeiro do Sul, Feijó, Mâncio Lima, Marechal Thaumaturgo, Porto Walter, Rodrigues Alves e Tarauacá).

A classificação em níveis de risco (bandeiras), expressa por meio de uma nota geral que varia de 0 a 15, é obtida por meio da mensuração de sete índices, sendo eles: isolamento social; notificações por síndrome gripal; novas internações por Síndrome Respiratória Aguda Grave; novos casos por síndrome gripal Covid-19; novos óbitos por Covid-19; ocupação de Leitos Clínicos Covid-19 e ocupação de UTIs Covid-19.

Segundo a coordenadora do Grupo de Apoio ao Pacto Acre sem Covid, Karolina Sabino, o pacto é declaradamente dinâmico, sendo concebido e formulado para acompanhar as possíveis mudanças que poderiam surgir ao longo do tempo, uma vez que a ciência evolui a cada dia, principalmente no que tange à Covid-19. Neste cenário, pode ser citado por exemplo a expansão do número de leitos clínicos e de UTIs no sistema de saúde e a redução do isolamento social em virtude do processo de flexibilização das atividades. Nesse aspecto, o pacto buscou inserir novos intervalos de calibração desses indicadores, a fim de garantir a fidedignidade e aplicação de sua proposta inicial e viabilizar a detecção das medidas positivas realizadas e conquistadas, aproximando ainda mais a ferramenta da realidade enfrentada atualmente.

“Passamos por um novo cenário, com uma folga no sistema de saúde, com taxa de internação inferior a 50%, por isso estamos mais seguros em fazer ajustes metodológicos que permitem nossas ferramentas entenderem as mudanças, mas tudo de forma segura e responsável, a fim de que haja proteção do direito à vida. Não estamos voltando ao antigo normal. Enquanto não houver uma vacina, não estaremos realmente protegidos. Por isso precisamos manter nossa postura de cuidados”, conta a coordenadora.

O Pacto

O Pacto Acre sem Covid é uma ferramenta destinada a viabilizar a harmonia entre o desenvolvimento econômico, o direito de proteção à saúde e os valores sociais do trabalho, tendo por finalidade precípua a efetiva proteção do direito à vida.

Este instrumento assegura a retomada gradual e responsável das atividades econômicas e comerciais no âmbito estadual, por meio de mecanismos impulsionados pela atuação conjunta da sociedade, do setor econômico e do poder público, tendo, como referência, diretrizes e decisões baseadas em dados oficiais e evidências científicas.

Os níveis de classificação de risco foram divididos em Vermelho, Laranja, Amarelo e Verde, respectivamente do mais restritivo para o mais flexível. A cada 14 dias é realizada uma nova avaliação dos indicadores, cabendo às prefeituras realizar a autorização das atividades permitidas no respectivo nível de risco apurado por meio de decreto municipal, bem como a instituição de protocolos sanitários a serem seguidos pelos setores da economia que estejam autorizados a funcionar. Um trabalho que envolve Estado, prefeituras e entidades e conta com o apoio de toda a comunidade.

Secom

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Facebook

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas