Desvio no DNIT: governo pagou R$ 3,5 bi para fazer asfalto de até 25cm, mas empresa fazia de apenas 2cm

Deputado acreano Luiz Gonzaga (PSDB) já havia denunciado irregularidades nas obras da BR-364

0
Deputado acreano Luiz Gonzaga (PSDB) já havia denunciado irregularidades nas obras da BR-364

A Controladoria-Geral da União (CGU), em parceria com a Polícia Federal, prendeu nesta quarta-feira (10) sete pessoas acusadas de envolvimento com esquema de corrupção dentro do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte de Rondônia (DNIT/RO).

Estão sendo cumpridos 10 mandados de busca e apreensão, 6 de prisão preventiva e um de prisão temporária em Rondônia e no Acre. A ação conta com a participação de servidores da CGU durante o cumprimento dos mandados de busca e apreensão.

O esquema envolve empresa e consórcio que executavam serviços de pavimentação asfáltica em trecho da BR-364 em Rondônia e Acre, além de agentes públicos.

Os pagamentos referentes às despesas das obras eram autorizados integramente pelo DNIT, sem ajustes ou correções nas medições, mesmo havendo prévio aviso sobre irregularidades existentes.

Segundo a CGU, o esquema funcionava na execução do recapeamento asfático das rodovias. Segundo o relatório da políica, há trechos com previsão de 2cm de altura de manta asfáltica para os quais foram pagos valores correspondentes a 25cm, ou seja, o equivalente a 12,5 vezes mais do que o executado. Até a data da deflagração da operação, em apenas um dos contratos vigentes em Rondônia, constatou-se prejuízo de mais de R$ 10 milhões.

Comentários

comentários