20 junho 2024

Agentes socioeducativos em estágio probatório temem participar de greve organizada por sindicato no Acre

Por Gina Menezes, da Folha do Acre

Date:

Com ampla maioria dos membros em estágio probatório, o Sindicato dos Técnicos e Agentes em Ações Socioeducativas do Estado do Acre irão iniciar na terça-feira (23) uma paralisação de 72 horas em sinal de advertência. Mesmo a legislação permitindo que servidores em estágio probatório, tempo no qual está sendo avaliado para ser empossado em carater definitivo, possam participar do movimento grevista, muitos agentes do Acre temem participar e o movimento deverá ser enfraquecido.

A paraalisação foi comunicada, via ofício, ao secretário de Estado de Governo, Alysson Bestene. A previsão é que o movimento de paralisação seja encerrado no dia 25.

Entre as reivindicações estão: contratações de novos servidores, carteira funcional, adicional de titulação, construção de locais para descanso e alimentação, aumento do banco de horas e participação de todos os servidores, melhor distribuição das gratificações e aquisição de novos equipamentos.

O presidente do sindicato, Janderson Oliveira, afirmou que os agentes não são obrigados a participar do movimento caso não queiram.

“O movimento é da categoria que se reuniu e deliberou pela paralisação. Não se trata de um pleito individual de quem quer que seja. Como a instituição está informando. Todas as reivindicações estão expostas de forma bem clara nos documentos que foram enviados ao ISE e aos demais órgãos, e ninguém está sendo obrigado a participar, o direito à paralisação é garantido a todo trabalhador seja ele temporário, efetivo, comissionado”, diz.

Apesar da garantia constitucional, a reportagem recebeu a informação de que alguns agentes em estágio estão cautelosos quanto à participação na paralisação.

“Poder participar pode sim, mas tem que ser com muito cuidado. Qualquer ato ou ação considerada abusiva pode comprometer a efetivação no cargo. Estágio probatório não garante estabilidade no cargo”, afirmou uma fonte ouvida pela reportagem.

Últimas