4 março 2024

Vídeo mostra Bolsonaro pedindo ‘ação’ antes das eleições em reunião que tratou de golpe

Redação Folha do Acre

Date:

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, emitiu uma decisão de grande repercussão ao tornar pública a íntegra de uma reunião realizada no Palácio do Planalto em 5 de julho de 2022, protagonizada pelo ex-presidente Jair Bolsonaro e seus ministros. O despacho, datado da última sexta-feira, surge como resposta às diversas divulgações parciais e editadas do vídeo, visando garantir a transparência do conteúdo.

Essa medida, inserida no contexto da investigação sobre uma alegada tentativa de golpe no país em 2022, lança luz sobre o que os investigadores descrevem como uma dinâmica golpista na alta cúpula do governo. A gravação revela um Bolsonaro visivelmente exaltado, direcionando ataques ao então adversário Luiz Inácio Lula da Silva, a quem chega a designar como “satanás”. Além disso, o ex-presidente desfere sucessivas ofensas a ministros do Supremo, incluindo Moraes, Edson Fachin e Luís Roberto Barroso.

A determinação do ministro abrange a divulgação do material no site oficial do STF, ampliando o acesso às informações que embasaram a recente operação conduzida pela Polícia Federal. Essa revelação promete catalisar discussões acerca dos limites do discurso presidencial e da preservação das instituições democráticas no cenário político brasileiro.

O vídeo polêmico revela Bolsonaro planejando ação pré-eleitoral para evitar ‘guerrilha’. PF utiliza gravação de reunião de julho de 2022 como peça-chave em operação contra militares e ex-ministros. O material foi encontrado no computador de Mauro Cid, ex-ajudante de ordens do ex-presidente, que agora colabora em delação premiada homologada por Alexandre de Moraes, do STF.

Na reunião, Bolsonaro supostamente ordena disseminação de informações fraudulentas para reverter cenário eleitoral desfavorável, expressando temor de um caos pós-eleitoral. Alegações de fraudes eleitorais, persistentes durante seu mandato, foram refutadas por autoridades nacionais e internacionais. Em outra parte da discussão, o ex-presidente propõe a redação de um documento questionando a lisura das eleições, envolvendo a OAB e outros elementos externos.

As revelações aumentam a tensão política, destacando a urgência percebida por Bolsonaro em agir antes das eleições. A PF continua investigando a tentativa de golpe de Estado envolvendo militares e ex-ministros, enquanto o país aguarda desenvolvimentos significativos.

Últimas