14 julho 2024

Mais de 78 mil jovens do Acre não estudam e nem trabalham, diz IBGE

Redação Folha do Acre

Date:

No Acre, 31,9% dos jovens de 15 a 29 anos não estudavam nem trabalhavam em 2022, segundo a pesquisa Síntese dos Indicadores Sociais divulgada nesta quarta-feira (6) pelo IBGE. Em 2021, essa taxa era de 35,5% e, apesar da queda, ao menos 78 mil jovens ainda vivem a era do “nenem”: nem estudavam nem trabalhavam no ano de referência do estudo.

No País, o panorama é igual: o número de jovens que não estudavam nem estavam ocupados foi de 10,9 milhões em 2022, o que corresponde a 22,3% das pessoas de 15 a 29 anos de idade. Do total, as mulheres de cor ou raça preta ou parda representavam 4,7 milhões (43,3%), enquanto as brancas formavam menos da metade desse montante: 2,2 milhões (20,1%). Outros 2,7 milhões (24,3%) eram homens pretos ou pardos e 1,2 milhão (11,4%) eram homens brancos.

A redução do número de jovens que não estudam e não estão ocupados foi inferior à do total de jovens e, por isso, a taxa de jovens nesta condição não foi a menor da série. As menores taxas ocorreram em 2012 (21,8%) e 2013 (22,0%). A taxa de 2022 (22,3%) foi a terceira menor da série.

“O indicador inclui simultaneamente os jovens que não estudavam e estavam desocupados, que buscavam uma ocupação e estavam disponíveis para trabalhar, e aqueles que não estudavam e estavam fora da força de trabalho, ou seja, que não tomaram providências para conseguir trabalho ou tomaram e não estavam disponíveis”, explica Denise Guichard, analista da pesquisa.

A pesquisadora do IBGE completa que essa é uma medida mais rigorosa de vulnerabilidade juvenil do que a taxa de desocupação, pois abrange aqueles que não estavam ganhando experiência laboral nem qualificação, possivelmente comprometendo suas possibilidades ocupacionais futuras.

Fonte: IBGE

 

Últimas