20 junho 2024

Adolescente que colidiu com motocicleta ao dirigir na contramão recusou fazer teste do bafômetro

Redação Folha do Acre

Date:

A menor de 16 anos que colidiu com motocicleta e deixou duas pessoas em estado grave na madrugada da última sexta-feira (08), recusou fazer o teste do bafômetro. Além disso, cometeu uma série de outras infrações, como: dirigir na contramão, não ter habilitação, estar em alta velocidade e, supostamente, embriagada. Ela é filha de um policial civil.

A menor foi liberada pelo delegado de plantão, mesmo diante das evidências e infrações cometidas. A impunidade gerada por essa decisão tem causado indignação na comunidade.

Uma das vítimas do acidente é o artista Mauro Neto, que continua internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). O Pronto Socorro (PS) não divulgou detalhes sobre o quadro clínico do paciente, mas informações preliminares indicam que ele corre risco de vida.

Enquanto Neto luta pela sua recuperação, familiares e amigos têm se mobilizado nas redes sociais para prestar apoio e pedir por justiça. Luiza Hassen, prima da vítima, expressou sua dor e enfatizou que continua a orar por sua melhora.

Nas redes sociais, uma corrente de apoio foi criada pelos amigos, que também protestam contra a impunidade e compartilham informações sobre o caso para que a situação ganhe visibilidade.

“Mauro Neto, Maurinho, meu primo, sangue do meu sangue. Você é forte, você vai sair dessa, você vai testemunhar sua vitória. Sua história ainda tem muitos capítulos a serem corridos. Eu tenho fé que você irá se recuperar e em breve você vai tá espalhando sua alegria para nós novamente. Deus tá no controle da sua vida, meu irmão. Muito obrigado pela corrente de apoio. Peço para que sigam orando pela vida do Maurinho”, comentou a prima.

Além da gravidade do acidente, outra situação que tem gerado questionamentos é o fato de que Neto foi levado ao hospital como indigente e passou cerca de 12 horas sem identificação. Os documentos do paciente foram confiscados pela Polícia Militar do Acre (PMAC), o que levanta suspeitas sobre as intenções das autoridades nesse caso.

Até o momento, ninguém foi responsabilizado pelo acidente, mesmo diante das provas e dos fatos apresentados. A falta de ação das autoridades tem gerado revolta na comunidade, que espera por uma resposta e por justiça para as vítimas.

Fonte: agazeta.net

Últimas