2 março 2024

Rebanho bovino cresce mais de 14% no Acre e chega a 4,6 milhões de cabeças

Redação

Date:

Regional do Baixo Acre tem participação em 54% no quantitativo de cabeças. Dados são da Pesquisa da Pecuária Municipal (PPM), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O rebanho bovino do Acre cresceu pelo quinto ano consecutivo e chegou a mais de 4,6 milhões de cabeça em 2022. Os dados da Pesquisa da Pecuária Municipal (PPM), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), foram divulgados nesta quinta-feira (21) e seguiu a tendência de alta apresentada em 2021, quando o quantitativo era de pouco mais de 4 milhões.

O efetivo, segundo o levantamento, cresceu 14,5%, sendo este um desempenho acima do patamar observado nos últimos quatro anos, que se estabelecia abaixo de 8,4%.

As regionais do Acre com os percentuais de participações no número de rebanho bovino do estado são:

Baixo Acre: 54% do rebanho bovino (2.519,796 cabeças);
Alto Acre: 20% (925.892 cabeças);
Purus: 13% (601.397 cabeças);
Tarauacá/Envira: 10% (543.289 cabeças); e
Juruá: 3% (135.007 cabeças).
Observou-se, no estudo, que apesar de a regional do Juruá ser a que menos tem participação no quantitativo geral, esta apresentou crescimento de 32% no rebanho com relação a 2021.

Em 2022, os cinco maiores rebanhos bovinos estão em Rio Branco, com mais de 619 mil; Sena Madureira, com mais de 486 mil; e Senador Guiomard, com mais de 486 mil. Em seguida, vem Porto Acre (367.660) e Brasiléia (352.222).

A soma dos cinco primeiros resultam em 48% do rebanho estadual, ou seja, quase metade do quantitativo de 2022.

Carne de ave

O segundo maior rebanho é de galináceos com 2,572 milhões de cabeças, registrando queda de 1,75% em relação a 2021, totalizando o segundo ano de queda do efetivo. No ano em questão, tinha-se o total de 2,6 milhões e, em 2020, o estado contava com quase 2,8 milhões de cabeças.

Apesar da queda, o levantamento aponta que a demanda por frango e ovos fe galinha permaneceu aquecida.

A regional do Baixo Acre foi a que mais teve participação no quantitativo final: 36%, com mais de 924 mil cabeças. O maior efetivo é de Brasiléia, com mais de 377 mil, com presença da avicultura de corte.

Suínos

O terceiro maior é o de suínos, com 157.390 cabeças. O crescimento, segundo o IBGE, foi de 4,9%. Em 2021, o número era de 150 mil.

Neste, a regional Tarauacá/Envira ficou em primeiro lugar com 32%, o equivalente a 50.290 cabeças. Somente em Feijó, que faz parte desta regional, foram mais de 30 mil.

Produtos de origem animal

A pesquisa também indicou que em relação à produção dos produtos de origem animal, que inclui leite, ovos de galinha, ovos de codorna e mel de abelha, houve uma alta de 16,7% do valor da produção, que totalizou R$105,7 milhões. Em 2021, o valor era de R$90,6 milhões. Leite e ovos de galinha responderam por aproximadamente 99,5% do valor de produção gerado.

A produção de leite no estado acreano foi de cerca de 35,1 milhões de litros, sendo que os municípios de Acrelândia, Senador Guiomard, Plácido de Castro e Epitaciolândia respondem por 54% da produção.

Já a de ovos de galinha, o quantitativo foi de 7,8 milhões de dúzias, um crescimento de 18,2%. O destaque foi para Senador Guiomard, responsável por mais de 1 milhão de dúzias.

6º ano de queda na produção de peixes

A despesa do peixe criado em cativeiro (piscicultura) totalizou em 2022 cerca de mais de 2,5 milhões de quilos, isto representa uma queda de 13% em relação a 2021.

A despesa cai desde 2017 e, segundo os dados, é intensificada pelos aumentos dos custos de produção e da concorrência com a produção de outros estados.

Tambaqui é a principal espécie, respondendo por 40% da despesca, seguida da Pirapitinga (15%), Curimatã e Curimbatá (13%), dentre outras espécies.

Fonte: G1/AC

Últimas