quarta-feira, junho 29, 2022
27.3 C
Rio Branco
quarta-feira 29 junho 2022

Ícaro nega racha e alta velocidade e diz que fugiu do local por medo de represálias: “tive medo”

POR Redação Folha do Acre

Ícaro da Silva Pinto, acusado do acidente que resultou na morte de Jonhliane Paiva Sousa, em um acidente de trânsito ocorrido em agosto de 2020, prestou depoimento na manhã desta quarta-feira, 18, na 2ª Vara do Tribunal do Júri e Auditoria Militar, em Rio Branco e, em um diálogo aberto, confirma a briga com Hatsue motivada pela suposta traição em uma festa no dia do crime.

Com semblante tranquilo, Ícaro iniciou o depoimento afirmando que gostaria de falar abertamente sobre os fatos que antecederam o acidente fatal. Segundo ele, na festa, sua ex-ficante, Hatsue Tanaka, acabou beijando um homem, fato que lhe deixou irritado, iniciando, assim, uma discussão. “Estávamos em uma festa, cada um chamou 10 pessoas e tinha segurança particular. A Hatsue tem depressão e usa medicação que não pode beber. Chegou o Igor e deu um beijo nela e eu reclamei porque estava comigo e iniciamos uma discussão. No carro a gente volta a discutir, olhei o celular para ver blitz. Eu voltei a reclamar. A Hatsue bateu no painel”, declarou.

Pinto foi perguntado sobre sua velocidade no momento do acidente, porém, o acusado negou que estava acima dos 150km. “Acredito que estava acima da velocidade da via, mas acho que não estava acima dos 150 km por hora não. Eu não queria que acontecesse acidente, mas infelizmente aconteceu. ”

O motorista da BMW também fez questão de negar a existência de racha e amizade com o segundo envolvido no caso, Alan Araújo. “Eu vi o Fusca, tentei desviar, não houve racha. Eu não conhecia o Allan. Jamais houve racha”, disse, explicando que o ronco no motor do carro é devido a um escapamento esportivo.

Sobre o abandono do local do acidente sem prestar socorro à vítima, Ícaro afirmou que teve medo de retaliação. “Saí do local por medo. Fiquei nervoso e pensei em retaliação poas pessoas pensarem que é playboy bebendo. Eu tomei uísque com energético”.

Sobre a viagem ao Ceará, em Fortaleza, o acusado contou que se dirigiu a cidade por conta do problema de saúde de sua mãe. “Eu fui a Fortaleza por conta do estado de saúde dela não estar bom. Inclusive, ela não está aqui por isso. Passamos dois dias na cidade. Quando soube do mandado de prisão, comprei a passagem e voltei”, explicou.

O engenheiro civil fez questão de defender a inocência de Alan Araújo que, na sua opinião, não tem nada a ver com o ocorrido. “Não é certo. Em nenhum momento ele ocasionou o acidente. Eu fui imprudente. Eu nunca quis ocasionar esse acidente. Eu peço perdão. Estou aqui para pegar pelo que fiz”, encerrou.

COLUNISTAS

128 POSTS0 COMENTÁRIOS
38 POSTS0 COMENTÁRIOS
4 POSTS0 COMENTÁRIOS
2 POSTS0 COMENTÁRIOS
- Advertisement -spot_img