Medo de quê? Câmara rejeita por 7 votos a 5 requerimento para que Jarbas Soster esclareça denúncias contra Emurb

0

A bancada de apoio à prefeita de Rio Branco, Socorro Neri, rejeitou por 7 votos a 5 o requerimento apresentado pelo vereador João Marcos Luz (MDB) ao Plenário da Câmara Municipal nesta quinta-feira, 25 de abril, para que a Casa Legislativa encaminhe o convite ao empresário Jarbas Soster, diretor-presidente da MSM industrial, responsável por dezenas de denúncias, a maioria ajuizada na Justiça, por suspostos crimes e desmandos cometidos pela direção da Empresa Municipal de Urbanismo (Emurb). Entre as denúncias está a de ilegalidades cometidas na execução de alguns contratos.

Após a base da prefeita manobrar e cooptar o vereador tucano Célio Gadegalha para retirar a assinatura do requerimento da CPI da Emurb e assim enterrar a comissão de investigação, foi a vez dos vereadores se negarem a ouvir o denunciante que, segundo João Marcos Luz, possui mais de 500 folhas de denúncias com robustas provas contra a municipalidade.

“Trouxe o requerimento e gostaria que Vossa Excelência (presidente Antônio Morais) incluísse na ordem do dia, convidando o denunciante, senhor Jarbas Soster, para que ele possa prestar esclarecimentos sobre os materiais que reúnem 532 páginas, entre cópias de contratos, planilhas, ofícios e notas fiscais, que denunciam possível corrupção na empresa municipal”.

Luz explicou a decisão de convidar o denunciante, após arquivamento da Comissão Especial de Inquérito para investigar a Emurb, que ocorreu devido a retirada da assinatura do vereador Célio Gadelha e a lentidão da Casa para instalá-la visando alguma alternativa para impedir o processo.

“Os vereadores desta Casa e a população poderão saber mais a fundo todas as informações sobre os documentos do denunciante”, afirmou.

João Marcos Luz, que foi o autor do requerimento da CPI da Emurb, diz que continuará lutando pelo povo para que a Câmara Municipal cumpra a sua função de apurar supostas ilegalidades no Poder Público do Município de Rio Branco. Os documentos de 532 páginas do denunciante estavam anexados ao pedido de CPI.

Através das redes sociais, Jarbas Soster afirmou que está disposto a esclarecer qualquer tipo de dúvida dos parlamentares e apresentar provas de irregularidades na Emurb que tem resultado em prejuízo financeiro para os contribuintes rio-branquenses.

Comentários

comentários