Deputado denuncia perseguição e assédio moral no hospital de Cruzeiro do Sul

0
Hospital do Juruá

A situação da saúde pública no Estado do Acre está cada pior, independente da cidade. A bola da vez agora é Associação Nossa Senhora da Saúde (Ansau), proprietária do hospital de Cruzeiro do Sul e gerido em convênio do Estado. Denúncias levadas ao plenário da Assembleia Legislativa do Estado Acre (Aleac) revelam que até mesmo assédio moral está sendo praticado.

“A Ansau está obrigando os servidores plantonistas, principalmente enfermeiras, a assinarem um documento, um tal de acordo individual de trabalho e obrigando a mudar a sistemática de trabalho. Quem não aceita ou então vai trabalhar em local diferente”, revelou o deputado Raimundinho da Saúde (Podemos).

O deputado ressaltou que estas ações se assemelham a uma forma de assédio moral. “Não podemos admitir que os funcionários que estão há anos sejam maltratados. Na próxima semana eu e a diretoria do Sindicato dos Trabalhadores em Saúde do Estado do Acre [Sintesac] estaremos naquela cidade para tomarmos providências”, ressaltou.

Raimundinho destacou que há alguns anos foi feita uma greve na Ansau e ameaçou: se precisar vamos repetir. “Os enfermeiros de lá não têm local de repouso e agora estão recebendo assédio e coação. Se a diretoria não voltar atrás, vamos tomar providências e chamar o Ministério Público do Estado do Acre (MPAC)”.

Segundo o parlamentar, esse é, talvez, o terceiro ano em que as contas da Ansau foram reprovadas pelo Conselho Estadual de Saúde. Há cerca de um mês estimava-se em mais de R$ 6 milhões de recursos atrasados por parte do governo.

Para o deputado estadual Luiz Gonzaga (PSDB), existe uma tentativa do Governo do Estado em destruir a estrutura atual da Ansau para repassar o hospital para uma empresa privada gerir.

Comentários

comentários