Uber foi morto porque disse que conhecia os criminosos do seu bairro

0

Investigadores da Delegacia de Combate a Roubos e Extorsões (DCORE) da Polícia Civil desvendaram a morte do motorista de aplicativo (Uber) Alberto da Silva Souza, de 29 anos, morto após atender um chamado para uma corrida no último dia 2 de agosto. Pelo menos três pessoas envolvidas no crime foram presas.

No inquérito, que está em fase de conclusão, os partícipes, dois menores e um maior identificado como Thaylan Felipe de Lara Ferreira, 18 anos, mais conhecido pelo apelido de “Boy”, relataram que a vítima foi escolhida de forma aleatória na ocasião da realização da Expoacre.

“Foi relatado e consta tudo em depoimento que os menores foram até a casa de Thaylan Ferreira, no dia do crime, e pediram R$ 20,00 emprestado para seguirem de ônibus até o Parque de Exposições, que lá iriam ‘ganhar’ um carro. A vítima foi escolhida de forma aleatória. Durante o trajeto os acusados informaram que iriam até um posto de combustíveis no bairro Jorge Lavocat, onde encontrariam Thaylan ‘Boy’. Apenas um dos menores estava armado”, comentou o delegado Cleber Gnata.

Ainda em depoimento, os acusados afirmaram que decidiram matar a vítima depois este afirmou que era morador do bairro que os conhecia.

“Após encontrar com o Thaylan, o trio anunciou o assalto, diante da argumentação da vítima de que os conhecia e que também era morador do bairro, numa tentativa de persuadi e fazer com que os acusados desistissem do roubo, eles os levaram ao local do crime e o executaram, usando o carro para fugir. Um deles disse ainda que Alberto Silva afirmou que o carro teria rastreador”, disse um dos policiais que participa da investigação.

Alberto da Silva Souza foi achado morto com as mãos e pés amarrados e sem roupas, no sábado, 3, um dia após seu desaparecimento, no quilômetro 12 do Ramal do Mutum, em Rio Branco.

Comentários

comentários