Polícia nega que crianças foram raptadas no Acre, mas que caso é grave e está sendo investigado

0

Em entrevista ao site Folha do Acre, o delegado Rêmulo Diniz, coordenador da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) informou na manhã desta sexta-feira (20) que os áudios que estão circulando nas redes sociais desde o início da semana, alertando sobre um suposto tráfico humano, principalmente de crianças que estão sendo raptadas nos bairros de Rio Branco, estão sendo investigados pela polícia, e que princípio está sendo tratado como boatos.

“Desde que começaram os compartilhamentos nas redes sociais, relatórios sobre esse suposto tráfico humano nós já começamos a fazer os levantamentos e investigar. O que já apurou até o presente momento, é que são áudios e vídeos de outros estados que já chegaram aqui no nosso estado, a rede social hoje é em tempo real, e não foi registrado qualquer ocorrência na capital e também no interior, nenhum boletim de ocorrência, nenhum familiar veio reportar qualquer tipo de agressão dessa modalidade”.

O delegado afirmou que os mesmos áudios estão circulando em outros estados, e isso reforça a tese que se trata de fake news.

“Nos outros estados também está circulando esses áudios, porque as informações prestadas nesses áudios são informações de locais comuns que geralmente tem nos outros estados, como por exemplo baixada, centro da cidade, alunos de escola em curso, não tem um nome de uma escola específica e depois cria-se uma onda e através de mensagens as pessoas questionam se aquela informação é verdadeira e começam a inserir novos dados que não existem também, e aí ganha essa proporção a nível nacional. Não houve nenhum registro até o presente momento, isso é um fake news e não sabemos quem está lucrando com isso. Nós já buscamos algumas pessoas que já foram identificadas, as pessoas tentam ser o narrador como se tivessem presenciado algo e aí divulgam áudios sem saberem se é verdade”, disse o delegado.

Ainda de acordo com o delegado Rêmulo, a Polícia Civil investiga também um outro caso paralelo a este, a dos círculos amarelos que estão sendo pichados nos muros da cidade, com os dizeres: “Tráfico Humano”.

Segundo o secretário-adjunto de Polícia Civil, Josemar Portes, por mais que as primeiras investigações apontem os áudios como boatos a Polícia Civil investiga e trata o caso em tese como um fato grave.

“Até o momento não há nada de concreto nestes áudios e publicações em redes sociais, nós estamos tratando o assunto com muita responsabilidade obviamente por se tratar em tese de um fato muito grave, mas não há registro de nenhum rapto, nenhum desaparecimento até o momento, e o que nos parece ser é algo que está sendo disseminado de forma dolosa ou mesmo de forma culposa, enfim a gente não sabe qual é o objetivo, mas de qualquer forma cada caso que nos chega nós tratamos com responsabilidade e apuramos, até o momento não há nenhuma confirmação, apesar de um caso em que uma suposta mãe teria se sentido ameaçada porque viu um carro próximo, mas nada assim de concreto realmente com relação a rapto, tentativa de rapto, ou algo sequestro, ou algo que o valha, mas a Polícia Civil trata com muita responsabilidade e muita seriedade, até o momento não há nada comprovado”, concluiu o secretátio.

Comentários

comentários