Mortes de bebês menores de um ano crescem quase 20% no Acre, aponta IBGE

Dos 15.777 nascidos no estado em 2018, 236 morreram antes do primeiro ano de vida em 2018. Aumento foi de 17,4% em relação a 2017.

0

A quantidade de bebês que morreram no Acre antes de completar o primeiro ano de vida aumentou. A informação é das Estatísticas do Registro Civil 2018, divulgadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira (4).

O levantamento mostra que foram 236 mortes em 2018, 17,4% a mais que as registradas em 2017, quando houve 201 mortes de bebês menores de um ano. As causas dos óbitos não são especificadas.

Os dados também revelam um leve crescimento dos óbitos fetais (antes mesmo do nascimento), passando de 137 em 2017 para 154 no ano seguinte.

A capital Rio Branco também segue a tendência de crescimento observada no estado. Foram 83 mortes de menores de um ano em 2018, mais que as 69 registradas no ano anterior.

Conforme os registros, foram totalizados 3.924 óbitos no estado em 2018 por causas naturais, sendo que o maior número ocorreu no mês de março, com 397 casos. Mais da metade desse número é somado por homens, chegando a 2.027 óbitos. O número de mortes naturais de mulheres somou 1.483.

No caso das mortes violentas, os homens contabilizam quase sete vezes mais mortes que o sexo feminino chegando a 326 e as mulheres 43.

Nascidos vivos

O número de nascimentos registrados no Acre aumentou em 2018, segundo a estatística do IBGE. Em 2017, foram registrados 15.530 nascimentos no estado, o que representa um aumento de 1,6%, ou 247 nascimentos a mais, na comparação com 2018, quando foram registrados 15.777 nascimentos.

Na capital, Rio Branco, os registros de nascimentos somaram 6.278 no ano passado. A segunda maior cidade acreana, Cruzeiro do Sul, também registrou o segundo maior número de nascidos vivos, com 1.730.

Ainda de acordo com os dados, os números de nascimentos mantêm um padrão ao longo do ano. O mês de abril foi o que apresentou um pouco mais de nascidos vivos que os demais, chegando a 1.530, seguido dos meses de maio e agosto, com 1.433 e 1.425 nascidos, respectivamente.

G1

Comentários

comentários