Iapen envia maníaco sexual para prestar serviços no Educandário Santa Margarida

Márcio da Silva Rodrigues é acusado de ter abusado de pelo menos nove crianças

0

O reeducando Márcio da Silva Rodrigues, acusado de pelo menos nove casos de estupro contra crianças entre 5 e 11 anos foi enviado pelo Instituto de Administração Penitenciária (Iapen) para prestar serviços de instalação de um laboratório de informática no Educandário Santa Margarida, que é referência no atendimento de crianças entre 0 e 12 anos.

Márcio foi preso em flagrante em janeiro de 2015 pelo sequestro de uma criança de 11 anos de idade, mas foi beneficiado no dia seguinte com liberdade provisória, voltando a ser preso em fevereiro daquele mesmo ano após ser denunciado pelo Ministério Público do Acre pela prática dos crimes de sequestro com fins libidinosos e tentativa de estupro.

Segundo reportagens do A Gazeta do Acre à época da prisão, a criança de 11 anos teria tido suas partes íntimas dilaceradas pelo homem que já era investigado desde 2014 pelo Núcleo de Atendimento à Criança e ao Adolescente (Nucria) por atacar menores no meio da rua, quando estavam desacompanhadas.

O acusado usava o argumento de que daria dinheiro para a mãe ou avó da vítima para convencê-las a entrar em seu carro, um Chevrolet Celta de cor preta. Pelo menos nove crianças teriam reconhecido Márcio como autor dos crimes e a polícia acredita que o número de vítimas possa ter sido maior.

Nesta última terça-feira (13) a Agência de Notícias do Acre enviou releases para a imprensa sobre a instalação do laboratório no Educandário, onde Márcio da Silva Rodrigues deu entrevista falando sobre a participação no projeto:

“Estamos dando manutenção aqui no laboratório que vai funcionar para as crianças. Fomos nós que montamos toda a parte da estrutura tanto física quanto de software, internet e cabeamento” – disse Márcio sobre a instalação do laboratório na instituição.

A reportagem da Folha do Acre entrou em contato com o diretor do Iapen, Lucas Gomes, que confirmou que o preso Márcio da Silva prestou serviços no educandário, mas que estava escoltado por dois agentes e não teve contato com nenhuma criança.

“O preso, que responde por estupro, prestou serviço um em um dia no educandário. Montando uma sala de informática. O preso esteve escoltado com dois agentes penitenciários e não teve nenhum contato com nenhuma criança”, diz Lucas.

Com informações do Diário do Acre

Comentários

comentários