Inteligência Exponencial: torne-se acima da média, por Adriano Gonçalves

0

“Dê-me uma alavanca suficientemente longa, e moverei o mundo.” – Arquimedes

“Para entendemos o século XXI, precisamos entender que as três maiores forças do planeta – a lei de Moore (tecnologia), o mercado (globalização) e a Mãe Natureza (mudança climática e perda de biodiversidade) – que estão acelerando de uma só vez. Essas acelerações estão transformando cinco domínios-chave: o local de trabalho, a política, a geopolítica, a ética e a comunidade.” – Thomas L. Friedman

O conceito

Uma das peculiaridades mais importantes da Inteligência Exponencial é ter criado tecnologias capazes de produzir mudanças em si próprias e no mundo. Em um passado não tão distante, as mãos humanas eram as únicas a produzir tais transformações; atualmente, entretanto, robôs e softwares baseados em inteligência artificial já são capazes de se autoaprimorar.

Esse novo paradigma gera mudanças profundas no mundo corporativo. Negócios e tecnologias não mais progridem de forma linear, mas de maneira exponencial.

Pense em uma pessoa caminhando, cujos passos sigam uma lógica linear de “1,2,3,4,5…”. Agora imagine se essa caminhada fosse realizada a uma progressão exponencial de “1,2,4,8,16,32…”. Enquanto passos lineares percorrem alguns metros, os exponenciais percorreriam o equivalente a quatro voltas ao redor do globo.

O pensamento exponencial

Seguindo essa lógica, Klaus M. Schwab, criador do Fórum Econômico Mundial, afirma que as tecnologias que se expandem em velocidade exponencial, como a robótica e a Inteligência Artificial (AI), estão criando a Quarta Revolução Industrial.

Seu argumento se ancora na observação de que, no passado, máquinas industriais geravam produções em escala e seguia-se uma lógica de progresso linear, porém, as tecnologias atuais se expandem exponencialmente, em rede, gerando lucros e resultados assombrosamente maiores.

Nosso mundo atual é global e descentralizado, por isso, o pensamento que o move não poderia se caracterizar mais como local e linear: imagine um membro de uma tribo isolada, por exemplo. Ele só está preocupado com sua subsistência e não sabe do resto do mundo. Já uma pessoa inserida na civilização globalizada, no século XXI, estando no Brasil, sofre consequências do que ocorre na China.

Tragédias, calamidades e guerras do outro lado do mundo nos afetam, que afetam os preços dos produtos nas prateleiras daqui. E não seria diferente com os reflexos e consequências tecnológicas em todas as partes do globo.

O cenário atual

O pessimismo e a falta de esperança estão em pauta! Vai demorar um pouco para as coisas se equilibrarem e entrarem nos eixos novamente, mas isso não significa que temos que trazer essa situação para dentro de nós. A transformação é necessária e urgente para todos: educadores, gestores, executivos, colaboradores, estudantes. Todos nós! A educação significativa e transformadora tem que começar a aparecer, essa é nossa porta de saída, uma mentalidade exponencial.

Essa transformação vai muito além das políticas públicas, tem que ser uma mudança de cada um dos envolvidos, temos que mudar a nossa forma de pensar, treinar nosso cérebro, desaprender para aprender a reaprender. Isso gera transformação, mudança de pensamento, quebra de paradigmas e crenças limitantes. Nós temos medo de arriscar, de aprender sozinhos, pois fomos doutrinados a escutar, a sermos agentes passivos em um ambiente de ensino. Não consigo enxergar uma educação que transforma, que forma, que é significativa funcionando assim com passividade do lado de quem quer e precisa aprender.

O que precisamos fazer para mudar este cenário?

Temos que nos tornar APRENDEDORES ATIVOS, self-learners, temos que estar dispostos a mudar e a arriscar mais, não temer errar tentando aprender, e não apenas esperar por respostas prontas, o mundo real exige mais de você que apenas uma letra certa em um gabarito. Acredito que o futuro do nosso está atrelado uma urgente, mudança comportamental.

Repito: temos que mudar a forma de pensar, treinar nosso cérebro, desaprender para aprender a reaprender, para conseguirmos mudar nosso comportamento. Não é fácil sair da zona de conforto, repensar algo que está enraizado a tantas décadas, mas não podemos ignorar o fato de que não está dando mais certo.

Desenvolva uma inteligência exponencial e torne-se alguém acima da média.

Adriano Gonçalves
Coach MindSet

Comentários

comentários