Como se conectar ao seu destino e ao sucesso, por Adriano Gonçalves

0
Escritor Adriano Gonçalves

“A maioria das pessoas quer encontrar o caminho correto para a vida. Sempre existe o desejo íntimo de fazer algo que as torne plenamente satisfeitas, realizadas e ter a certeza de terem nascido para forjar o que trará felicidade. Há algo dentro de cada pessoa que vai além dos sentimentos e pensamentos, há uma pequena voz que sussurra o que ela sempre desejou fazer, um desafio borbulhando, algo como uma incógnita, exigindo ser resolvida: o desejo de saber o que fazer com a nossa vida.” (Fernando Guillen)

Imagine você vivendo cada dia da sua vida com plena clareza dos seus objetivos. Tudo o que você pensa, fala, faz e sente é direcionado para um propósito de vida poderoso. Imagine saber que você é o mestre de sua experiência e que tem total controle sobre cada momento da sua vida! “Se um homem não sabe a que porto se dirige, nenhum vento lhe será favorável.” (Sêneca)

Em um momento de rara tranquilidade, você está em sua sala olhando para o horizonte e refletindo sobre o propósito desta semana e das três que a antecederam: elas foram absolutamente frenéticas. Reuniões e mais reuniões, relatórios intermináveis para preencher, processos para acompanhar, contratações para realizar, planejamentos para coordenar, viagens de um dia; tudo embalado pela trilha estridente do celular, que não parou de tocar: você atende ou deixa tocar incansavelmente até parar?

Independentemente da resposta dada para a situação hipotética acima, ela tem a ver com uma questão fundamental para qualquer pessoa. Tem a ver com saber onde queremos chegar. Tem a ver com o propósito. “Empenhar-se ativamente para alcançar determinado objetivo dá à vida significado e substância. Quem quiser vencer deve aprender a lutar, perseverar e sofrer.” (Bruce Lee)

O DESTINO DA NOVA GERAÇÃO

Hoje em dia, felizmente, o propósito como o conhecemos voltou à pauta. A vontade maior de realizar ou conquistar algo retornou, e está em alta, e isso é tremendamente promissor.

Afinal, é consenso, entre os especialistas, que as novas gerações se distinguem cada vez mais das anteriores por buscarem fazer aquilo que realmente gostam, a arriscar por aquilo que as move de fato de acordo com a consagrada máxima de que “dinheiro é consequência”. “Se quiser ter uma vida plena, prenda-a a um objetivo, não às pessoas nem às coisas.” (Albert Einstein)

Há uma série de explicações para este retorno triunfal. Novas possibilidades tecnológicas, ausência de guerras significativas, conjunturas econômicas favoráveis etc.; mas deixaremos esta contextualização a cargo dos especialistas.

Aqui, vamos refletir sobre o DESTINO no seu âmbito. E você verá que, por mais que pareça uma discussão um pouco abstrata, é uma reflexão fundamental para qualquer atividade com a qual você venha a se envolver.

DESTINO?

Pode até ser que você tenha, mas que utilize outro nome ou expressão: objetivo, finalidade, desígnio etc. De toda forma, a nosso ver propósito é um termo mais exato, pois expressa justamente aquela vontade imensa que sentimos de realizar, de alcançar algo.

Quando você tem um propósito de vida definido e sabe exatamente aonde deseja chegar, você dispõe de toda energia necessária para enfrentar o seu caminho.

Por exemplo, a situação do início deste capítulo. Claro que se trata de uma suposição; porém, se você ainda não tem um propósito bem definido, é provável que a sua atitude seja a de deixar o celular tocar até desligar. Quando você não tem muita uma ideia clara e objetiva do que pretende realizar, nenhuma atividade será realmente satisfatória para você. Nenhum vento será favorável. “Muitas coisas não ousamos empreender por parecerem difíceis; entretanto, são difíceis porque não ousamos empreendê-las.” (Sêneca)

Então, nas situações difíceis, e elas são e serão sempre frequentes na vida, o mais provável é que você, irritado e infeliz, sinta vontade de chutar tudo para cima, quando deveria ser o contrário.

COMO DEFINIR MEU DESTINO?

Não existe uma fórmula definitiva. Afinal, ele é o seu propósito; é uma questão muito íntima e subjetiva, com a qual cada um tem seu próprio jeito de lidar. Às vezes o propósito surge por eliminação, após nos envolvermos em uma série de atividades, enfim o descobrimos; às vezes já temos a certeza desde a mais
tenra idade; às vezes o propósito surge por inspiração de alguém que você admira.

De qualquer forma, o fato é que um propósito não é identificado sem que façamos, em dado momento de nossas vidas, algumas perguntas incômodas a nós mesmos: qual é o sentido de viver para trabalhar? Qual o propósito de dedicar pelo menos um terço da minha vida a atividades cujo sentido desconheço? E talvez a mais temida de todas: sou feliz com o que faço?

“O meu propósito é o dinheiro”, você pode responder. Claro, um propósito mais do que legítimo. Porém, refazemos a pergunta: qual o propósito de ir em busca desse dinheiro? “Conforto”, “casa própria”, “viagens”, “educação de qualidade para meus filhos…”; perfeito. Mas, para que tudo isso?

As perguntas são mesmo incômodas; mas as respostas podem ajudar você a ter muito mais clareza, tanto na vida quanto no momento de se posicionar. “Destino não é uma questão de sorte, mas uma questão de escolha; não é uma coisa que se espera, mas que se busca.” (William Jennings Bryan)

Você precisa descobrir seu propósito para oferecer algo realmente necessário, algo que o diferencie dos outros, daqueles que apenas querem “algo”, e que não estão dispostos a se doarem por um propósito útil e sublime.

DESTINO É TER ALGO A OFERECER, A ENTREGAR

Quando o seu propósito é bem definido, tudo fica mais fácil, tudo se encaixa. Você conseguirá transmitir confiança naquilo que oferece, sem problemas, ou crises. E aí, sim, a prosperidade financeira será mera consequência destes valores intangíveis que você conquistou. “O destino não vem do exterior para o homem, ele emerge do próprio homem.” (Rainer Maria Rilke)

Conclusão? Com um propósito, a vida fica certamente muito mais leve, e os desafios que ela impõe, mais suportáveis.

Adriano Gonçalves
Escritor, Teólogo, Coach 3.0

Comentários

comentários