“A Maçonaria não escolhe candidatos”, diz grão-mestre do Acre

0

A Maçonaria não escolhe candidatos

Por Fernando Alvares

Por séculos a Maçonaria é lembrada como instituição que sempre esteve presente em todas as transformações positivas em prol da humanidade. Foi assim durante a Revolução Francesa, na Independência em diversos Países, no fim da escravidão no Brasil, na formação da República e na também na democracia brasileira.
Essa mesma instituição não se coaduna com partido “A” ou “B” e não se intimida.

O motivo da explanação é para afirmar que não são verdadeiras qualquer menção de apoio institucional a qualquer candidato nas eleições gerais de 2018.
A Ordem busca os mesmos ideais de todo brasileiro honesto: o fim da corrupção, transparência no serviço público e a garantia de melhoria da qualidade da educação, da saúde, dos serviços de infraestrutura e segurança pública.

A Maçonaria não pode apoiar qualquer candidato, pois a instituição é composta por homens livres, que devem buscar na honestidade, na Justiça e na esperança realizar atos de beneficência, com o objetivo de fazer feliz a humanidade e buscar o progresso.

Qualquer pessoa que se auto identifique como líder-membro da Maçonaria e que peça voto para candidato estará infringindo os preceitos da instituição, que defende o respeito a liberdade de crença, credo religioso, e o combate ao preconceitos, assim como posições ideológicas.
Tentar impor as próprias ideias a outros é um ato antidemocrático e uma ofensa grave a todos os irmãos que possuem liberdade e autonomia de pensar por conta própria.

A Maçonaria mantém e sempre manteve um bom relacionamento com governos, igrejas e instituições filosóficas, inclusive desenvolvendo ações beneficentes e filantrópicas em conjunto, e que por ser a Maçonaria uma instituição formada por homens livres e de bons costumes, acreditamos que os candidatos, maçons regulares, independentemente de partido, poderão ajudar nosso Estado e País a resgatar a conduta moral que deve existir nos nossos parlamentares e gestores!

Como cidadão, cada eleitor é responsável pelo próprio voto e por isso cada pessoa deve votar no candidato de sua escolha, conforme a própria consciência, e a GLEAC propugna a que cada maçom acreano se disponha a desenvolver essa nova consciência nacional em que a CMSB – Confederação da Maçonaria Simbólica do Brasil, traz como mote de campanha para este ano o VOTO CONSCIENTE.
Só assim, de fato, o voto se transformará na grande arma de construção de uma Pátria livre, igual e fraterna.

Fernando Alvares Zamora é grão-mestre da Grande Loja Maçônica do Estado do Acre – GLEAC

Comentários

comentários