Helicóptero do governo e Samu resgatam bebê indígena em aldeia isolada do Acre

0

Um bebê indígena da aldeia Nova Olinda, localizada em uma região de difícil acesso geográfico, às margens do Rio Envira, município de Feijó (360 km de Rio Branco), foi resgatado pelo serviço aeromédico do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer) com o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), na manhã desta quarta-feira, 11.

A criança, de nove meses de vida, estava com um quadro grave de desidratação e desnutrição severa. Assim que recebeu o chamado do Departamento Indígena do Juruá, às 10 horas, a equipe do Samu, coordenada pelo médico Pedro Pascoal, que responde pelo serviço, foi até o local para fazer o resgate. Foram quase sete horas de missão até o retorno à capital, onde o bebê foi levado direto ao Pronto-Socorro de Rio Branco.

“Assim que chegamos ao local, imediatamente fiz uma avaliação minuciosa na criança, onde foi constatado o quadro de desnutrição severa com desidratação grave. Após o suporte inicial, o bebê foi colocado dentro da aeronave e transportado até Rio Branco com segurança”, destaca Pascoal.

O helicóptero do governo trabalha em parceria com o Samu fazendo ações de urgência e salvando vidas em todo o estado desde março deste ano, graças a um convênio que assegurou a continuidade do serviço de resgate e transporte aéreo entre o Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer) e Samu – uma determinação do governador Gladson Cameli -, que disponibilizou a aeronave para o suporte aéreo de pacientes em situações graves de um município para outro.

A parceria não só tem salvado vidas como tem reduzido os custos com fretamento aéreo no orçamento da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre) para situações emergenciais de atendimento à população acreana.

Comentários

comentários