Mulher de Moro pede fim de “mimimi” e afirma que governo Bolsonaro terá “propina zero”

0

A advogada Rosângela Wolff Moro, esposa do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, pediu à população pare de reclamar, una-se e espere para ver o desenrolar do governo Jair Bolsonaro. Em publicação no Instagram, Rosângela diz que, com Bolsonaro, haverá “propina zero”, corte de despesas desnecessárias e redução de gastos públicos. “Chega de MIMIMI”, escreveu em caixa alta a palavra usada como sinônimo para reclamação. Na postagem, ela também fez referência à caneta de marca popular utilizada pelo presidente e seus auxiliares nos atos de posse como sinal de austeridade da nova gestão. O texto é ilustrado com uma imagem da bandeira do Brasil.

“O dia que todos os brasileiros se conscientizarem que somos UM SÓ povo com as mesmas preocupações veremos um grande avanço e estaremos no caminho certo. Parem de reclamar e esperem para ver a que veio esse novo GOVERNO.#bolonaromoroguedes. Redução de custos ( do seu $$),corte de despesas desnecessárias, zero propina. Chega de MIMIMI. Apenas espere e assista! #Bic e bandejão! # vida real”, publicou.

Na noite de 28 de outubro, Rosângela usou o Instagram para comemorar a vitória de Bolsonaro. Na época, Moro ainda não havia sido anunciado como ministro da Justiça e Segurança Pública. “Feliz”, publicou ela ao lado de um vídeo que mostra a imagem do Cristo Redentor, no Rio, fazendo uma reverência diante do número 17, de Bolsonaro.

Em seguida, Rosângela postou a imagem do mapa do Brasil com a inscrição “Sob nova direção. A advogada vinha fazendo campanha nas redes pelo “voto consciente”, mas sem fazer referência explícita a qualquer candidato.

“Brasil não será um porto seguro para criminosos”, diz Moro em posse. Leia a íntegra do discurso

Empossado por Bolsonaro na última terça-feira (1º), Moro assumiu o Ministério da Segurança Pública e Justiça com status de superministro. Uma de suas conquistas foi a transferência do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), que era vinculado ao Ministério da Fazenda, para sua pasta. “Brasil não será porto seguro para criminosos”, discursou em sua posse (leia a íntegra do pronunciamento). Moro prometeu encaminhar ao Congresso um projeto de lei anticrime com essas medidas assim que começar a nova legislatura, em fevereiro.

Com informações do Congresso em Foco

Comentários

comentários