Presidente do Sintesac vai ao TST em busca do Plano Bresser: processo entrou nas prioridades

0

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Saúde do Estado do Acre (Sintesac), Adailton Cruz, juntamente com o assessor jurídico da instituição, Marcelo Neri, estiveram reunidos com o Ministro Caputo Bastos, responsável pelo julgamento do processo do “Plano Bresser” dos servidores da saúde estadual. A reunião ocorreu na quarta-feira (21) no gabinete do ministro no Tribunal Superior do Trabalho (TST), em Brasília/DF.

Adailton informou ter o ministro revelado estar abarrotado de trabalho, com mais de 12 mil a serem julgados, mas manifestou surpresa com o atraso do processo do Acre, pois já deveria ter sido concluído há muito tempo, sendo o processo mais antigo no gabinete.

O presidente do Sintesac se disse confiante em relação ao pagamento dos valores salariais negados aos servidores e tramitando há quase 30 anos: “Com fé e muito empenho, nós vamos conseguir. Aos servidores peço que aguardem, e acreditem, nós não vamos desistir, e faremos o impossível para que ainda este ano, seja tudo resolvido”.

Ministro garante prioridade

O ministro Caputo Bastos garantiu aos representantes do Sintesac que a partir de agora o processo terá prioridade para ser concluído, pedindo à assessoria dele, ministro, para tomarem as providencias necessárias para o julgamento.

“Fomos muito bem recebidos pelo ministro, que nos ouviu atentamente. Colocamos pra ele toda expectativa e ansiedade vivida pelos nossos trabalhadores ao longo desses 27 anos de luta para receberem o que têm direito, inclusive o fato de muitos terem morrido nessa angústia”.

Apelo em nome de 3,4 mil servidores

Adailton destacou o apelo feito ao ministro para haver um termo final no processo e o despacho desse processo ao Acre para iniciar a efetivação dos pagamentos.

“Reforçamos o apelo, e o ministro garantiu dar celeridade. Ao nosso ver, foi muito importante a conversa com o magistrado, pois assim ele ficou sabendo do sofrimento e angústia de todos os 3.403 profissionais que aguardam desesperadamente receber. Vamos esperar mais 30 dias e, se for preciso, vamos retornar ao gabinete do Ministro”, destacou Adailton.

Assecom Sintesac

Comentários

comentários