Parceria entre Estado e Prefeitura viabiliza inserção de reeducandos na construção da ExpoJuruá

0

Com intuito de aproveitar a mão de obra ociosa, promover inclusão, por meio da geração de emprego e renda, o Estado e a Prefeitura de Cruzeiro do Sul firmaram uma parceria para viabilizar a participação dos reeducandos na construção da estrutura da Expoacre Juruá.

A ideia é que eles e elas, tendo em vista que as mulheres em situação de reclusão também participam da ação, auxiliem ainda nos demais trabalhos do município. “Essa é uma oportunidade de eles poderem reduzir as suas penas e ainda adquirirem uma profissão. Já falei, inclusive, com o governador sobre a possibilidade de ofertamos cursos profissionalizantes, para que eles possam voltar ao seio social de uma maneira bem melhor que saíram”, endossou o prefeito Ilderlei Cordeiro.

É por meio da educação e do trabalho que o Instituto de Administração Penitenciária (Iapen) promove a ressocialização dos apenados. “São duas frentes que valorizam eles e ainda contribuem com a economia”, observou a gerente de Trabalho do Iapen, Dalvanir Azevedo.

Segundo a secretária de Estado de Empreendedorismo e Turismo, Eliane Sinhasique, a iniciativa rompe barreiras e preconceito. “Infelizmente, muitas pessoas que passam pela prisão, ao sair, encontram dificuldade em conseguir um emprego devido o preconceito. A partir do momento em que o próprio poder público promove essa oportunidade, damos a chance deles trilharem um novo destino”.

Em Cruzeiro do Sul, o trabalho de limpeza dos reeducandos será coordenado pela ONG CBCN, instituição responsável pelo trabalho de coleta de resíduos sólidos do município. “Vamos identificar as habilidades de cada um para que possam contribuir nas suas áreas de afinidades”, frisou o coordenador de Limpeza da CBCN, Joel Queiroz.

Ressocialização e valorização

A iniciativa do Estado e Prefeitura de Cruzeiro do Sul de utilizar a mão de obra dos apenados foi bem recebida por todos eles. A ação, além de gerar um retorno à sociedade, promove cidadania aos participantes.

“Quando as pessoas nos veem com as tornozeleiras, simplesmente fecham as portas na nossa cara. Com esse apoio do Governo e Prefeitura, isso muda a nossa realidade. Estou cumprindo pena há 10 anos e essa é a primeira vez que tenho essa oportunidade. Estou muito feliz pela chance de me reintegrar à sociedade”, afirmou Altair Félix.

Emocionado, Moisés Santos agradeceu o incentivo. “A gente errou muito na vida, mas, só precisamos de uma oportunidade para mostrar que mudamos. Todos queremos cumprir nossa pena e depois sair para cuidar de nossas famílias. Agradeço de coração ao prefeito e o governo por terem nos estendido a mão”.

Comentários

comentários