Última sessão do ano em Câmara de Vereadores é marcada por bate-boca e tapa na mesa

Discussão ocorreu em Brasileia durante sessão para aprovar orçamento do município para 2020

0
Discussão entre vereadores marcou última sessão da Câmara de Vereadores de Brasileia — Foto: Reprodução

A última sessão solene do ano da Câmara de Vereadores da cidade de Brasileia, interior do Acre, foi marcada por discussões, gritaria e ânimos exaltados. A sessão desta terça-feira (10) era para aprovar o orçamento do município para 2020.

Porém, antes da votação houve bate-boca entre os vereadores Rogério Pontes (MDB), presidente da Casa, e Joelso Pontes (PP). Os dois chegaram a bater nas mesas diversas vezes e trocaram ofensas.

“Vereador, por favor, o senhor calado ainda está errado. Tem que respeitar a gente também. O senhor não tem moral pra falar aqui, é incondicional. Não tenho medo do senhor, respeita, toma vergonha na tua cara”, gritou o presidente da Câmara em um vídeo que viralizou na internet.

Em defesa, Joelso Pontes se levanta, pega o microfone e fala apontando o dedo para o presidente. “Não sou incondicional. Calado ainda está errado o senhor. Não tenho medo do senhor, não”, grita enquanto bate com uma das mãos na mesa.

Discussão

Ao G1, o presidente acrescentou que Joelso Pontes tentou interromper a fala de um outro vereador, e ele teve que interferir. A partir de então, os dois começaram a bater boca.

“Ele é educado, mas está descumprindo o regime, fala quando quer e quando o colega foi falar ele queria falar. Eu, como presidente, tive que interferir, pedir por favor para manter a calma e respeitar o colega”, disse.

Mesmo com o pedido, o presidente afirma que o vereador não se acalmou e os ânimos pioraram.

“Está de um jeito meio estranho, mas quando termina a sessão fica normal. Gosto dele, temos até o mesmo sobrenome, mas tive que interferir, ficou chamando a gente de mentirosos”, afirmou..

Fato isolado

O vereador Joelso Pontes contou que o fato foi isolado, e que se exaltou quando foi chamado de moleque.

“Pedi uma parte ao vereador, que não me deu. Ele estava falando algumas situações e eu precisava contraditar. À luz do regimento, a gente pede uma parte e ocorre que isso não aconteceu”, defendeu.

Vereador de oposição, Pontes disse que estava só ele e outro vereador também da oposição e que muitas vezes não há espaço para eles.

“Por isso que deu um pouco de destempero de minha parte, até para conseguir falar. Depois, no final, de tanto eu insistir para corrigir a informação, o vereador me deu uma parte no final da fala dele”, falou.

Orçamento aprovado

Ao final da sessão, os vereadores aprovaram o orçamento de mais de R$ 65 milhões para 2020. O valor foi aprovado com oito votos a favor e um contra. Além do presidente, outro vereador também não votou.

G1

Comentários

comentários