24 fevereiro 2024

Chacina que matou 6 pessoas no Taquari tem ligação com guerra de facções, diz delegado

Redação Folha do Acre

Date:

A Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública continua investigando a chacina que foi responsável pela morte de seis na noite desta última sexta-feira (3), em Rio Branco. O caso ocorreu em uma casa na Rua Morada do Sol, bairro Taquari.

A Sejusp informou nesta segunda-feira (6) ao G1 Acre que a chacina que terminou em seis mortes na noite de sexta-feira (3) foi motivada pela guerra de facções, que disputam território na capital. O coordenador da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Alcino Junior, também confirmou que uma das vítimas era parente de um dos presos mortos na rebelião que aconteceu no presídio de Segurança Máxima Antônio Amaro, em julho deste ano.

“Uma pessoa do Taquari era filha de uma liderança. Essa pessoa estava com outros membros, o que acabou gerando um ataque pela facção rival e, dentro desse contexto, eles também, armados, que já estavam dentro da casa, acabaram efetuando um contra-ataque. Então, em um ambiente com seis mortos, quatro a gente entende que seria dessa facção que foi cometer a execução e dois da facção local, que atua no bairro”, explica o delegado.

Agora, segundo o coordenador da DHPP, a polícia deve rastrear os veículos usados na ação.

“Agora é tentar recuperar essas armas que foram recolhidas logo após o crime ali por outros bandidos. E tentar evitar novos enfrentamentos, que causam essa sensação de insegurança. Dos que a gente tem já o óbito confirmado e identificação confirmada, todos com passagem do sistema prisional, integrante de organização criminosa, que realmente é o que acontece dentro desse contexto de enfrentamento entre essas organizações”, disse.

“A linha de investigação é muito clara, é o enfrentamento entre facções criminosas. Há uma grande disputa entre essas duas facções, uma do bairro Taquari e outra de outra região da cidade, para a tomada de bocas de fumo e áreas de influência. A linha é essa, é sempre dentro dessa área de execução mesmo, e agora é identificar os autores”, continua.

ContilNet

Últimas