17 julho 2024

Um professor nota 10: a luta de Geovane Souza pela educação infantil no Carandá

Gina Menezes

Date:

 

A Educação me escolheu. Assim o pedagogo Geovane Silva de Souza, 38 anos, define ter abraçado a profissão de pedagogia que o levou a ser o diretor da creche municipal Jorge Luiz Venâncio Pinto, localizada no Conjunto Carandá, área periférica de Rio Branco.

Pedagogo por formação e vocação, como ele mesmo se define, o professor é um exemplo da educação que vai além, que transforma e que muda destinos. Para tornar a creche um lugar mais atrativo para as crianças e para que os pequenos amem o ensino desde cedo, o pedagogo tem ido além de suas obrigações como diretor e tem construído, com as próprias mãos, um ambiente mais lúdico, inclusivo e acolhedor para os alunos.

Com a ajuda de outros servidores, Geovane trocou a sala de diretor pelo espaço aberto da creche onde está construindo uma casinha de brincadeiras, um ambiente recreativo e delimitando espaço para uma futura horta. Para construir ele e os servidores colheram até no lixo o material que reaproveitaram, usaram paletes entre outras coisas. Pela informação boca a boca conseguiram doações de alguns baldes de tintas e seguem na busca por mais doações.

O diretor da creche, recém-eleito para a direção, não cruzou os braços diante das limitações burocráticas para recebimento de recursos para tornar a creche mais lúdica e tem arregaçado as mangas pintando, projetando e conseguindo doações. Sem a formalização de um conselho escolar a creche não consegue acessar importantes recursos o que limita a unidade de educação a contar somente com os valores repassados pela Secretaria Municipal de Educação que tem ajudado dentro de seu planejamento.

“Eles fazem o que podem, mas se tivéssemos um conselho teríamos mais autonomia e poderíamos cuidar melhor da nossa creche, mas para formalizar nós precisamos de um auxílio jurídico e por enquanto não podemos pagar um advogado”, diz.

Um gigante da educação

Com 1,82, o diretor Geovane Souza destoa dos pequeninos que o cercam. A creche que ele dirige é para crianças de até 5 anos e foi este o local de trabalho escolhido pelo pedagogo de 38 anos, ex-funcionário dos correios e que abriu mão de uma carreira no Instituto Socioeducativo do Estado do Acre (ISE) para que pudesse através do saber transformar vidas. Ele entende que através da educação é possível transformar vidas, redirecionar futuros e mudar comunidades.

Geovane é o que se pode chamar de gigante da educação. Nem as limitações financeiras, nem a falta de condições da comunidade local, tampouco os desafios inerentes à educação no Brasil o limitam. Ele segue sonhando com um país melhor.

“Fazemos além do que nos mandam para que possamos ajudar as crianças, principalmente por elas serem carentes, tem pais que deixam as crianças na escola para que elas se alimentem aqui por não terem o que comer em casa. Então isso aumenta nossa responsabilidade. Uma escola tem a missão de mudar a comunidade e é isso que queremos, impactar a comunidade. São as crianças que levam a semente da mudança”, diz.

Um lugar de esperança em meio à pobreza, violência e tráfico de drogas

A creche Jorge Luiz Venâncio Pinto com suas cores vibrantes é como um ponto de extrema luz em meio à escuridão social do bairro Carandá, local marcado pela pobreza extrema, violência e palco do tráfico de drogas ao longo dos anos.

“Nós entendemos que o trabalho da educação vai além e entendemos a burocracia e as limitações legais da prefeitura que diga-se de passagem tem nos atendido, mas nós temos pressa em oferecer tudo que uma creche pode oferecer aos nossos alunos. Crianças precisam de brincadeiras e ambientes lúdicos. Nós pedimos a ajuda de qualquer pessoa que queira sonhar conosco para que entre em contato e nos doe tintas, brinquedos, seja o que puder. Se alguém também puder nos ajudar com o pagamento para um advogado nos ajudar com a criação do conselho nós seremos gratos para sempre”, diz.

A creche Jorge Luiz Venâncio Pinto leva este nome em homenagem a um dos primeiros moradores do Carandá, que trabalhava como vigia e teve forte atuação no meio comunitário.

Quem desejar ajudar a creche entre em contato com Geovane Souza através do telefone (68) 99237-8115.

Últimas