21 julho 2024

Grades de proteção são colocadas no Calçadão da Gameleira para evitar que moradores se aproximem do Rio Acre

Redação Folha do Acre

Date:

Para evitar acidentes e até afogamentos no Calçadão da Gameleira, que foi tomado pelas águas do Rio Acre nesta quarta-feira (29), a Polícia Militar colocou grades de proteção e fitas de isolamento para evitar que os moradores se aproximem da área alagada.

Desde o último fim de semana, é comum ver diversas pessoas às margens do Rio Acre, seja na Gameleira ou nas pontes do Centro da capital, tirando foto ou admirando a paisagem. Para evitar a aglomeração de curiosos, o comando do 2º Batalhão da PM-AC reforçou a fiscalização na Gameleira e isolou parte do calçadão.

“Reconhecemos que é um lugar turístico, cria uma paisagem natural bonita de ser ver, a pujança do rio, a quantidade de água, mas esse acúmulo de pessoas aqui pode trazer acidentes. Uma criança pode cair na água, logo depois dessa grade já é o início da escadaria, então, se a pessoa cair não vai encontrar um local para se estabilizar, já pode ir direto para o fundo, a correnteza aqui nesse ponto é muito forte, a curva do rio está sendo praticamente aqui devido à cheia”, destacou o comandante do 2º BPM-AC, tenente-coronel Felipe Russo.

Além disso, Russo explicou que as equipes de resgate e assistência aos desabrigados precisam das ruas e acessos livres para estacionar os veículos e retirar bens de moradores que ainda estão nas áreas alagadas.

“Então, às vezes, precisam estacionar veículos para retirar bens e as pessoas que estão aqui querendo ver, infelizmente, ocupam esse espaço estacionando seus veículos. Não queremos, de nenhuma forma, ser antipáticos, mas estamos só querendo criar um ambiente de ordem, ambiente de bom senso para todos e que a gente consiga ultrapassar esse momento de dificuldade da melhor forma possível”, aconselhou.

O coronel revelou também que há a possibilidade, caso a água avance, do trânsito ser interrompido na região para facilitar o fluxo das equipes do Corpo de Bombeiros, Polícia Militar, Defesa Civil e outras de resgates.

G1

Últimas