sexta-feira, agosto 19, 2022
21.3 C
Rio Branco
sexta-feira 19 agosto 2022

Mais de 400 mil pessoas vivem na pobreza no Acre, revela estudo

POR Redação Folha do Acre

Uma pesquisa divulgada pelo Centro de Políticas Sociais da Fundação Getúlio Vargas (FGV Social) revelou que o Acre tem 45,53% de sua população vivendo na pobreza.

O Acre, está entre as 14 unidades da federação que têm mais de 40% de sua população na pobreza, atingindo mais de 412 mil pessoas.

Por essa classificação, pobres são aqueles que vivem com menos de R$ 497 per capita/mês a preços do quarto trimestre de 2021, US$ 5,50 por dia.

Conforme a pesquisa, em quatro Estados, o percentual supera 50%: Maranhão (57,90%), Amazonas (51,42%), Alagoas (50,36%) e Pernambuco (50,32%). Além desses, a situação é crítica em Sergipe (48,17%), Bahia (47,33%), Paraíba (47,18%), Pará (46,85%), Amapá (46,80%), Roraima (46,16%), Ceará (45,89%), Piauí (45,81%), Acre (45,53%) e Rio Grande do Norte (42,86%).

Das 27 unidades da federação, 25 registraram aumento da fatia da população na pobreza entre 2019 e 2021. A pior evolução dos indicadores de pobreza no período da pandemia foi observada em Pernambuco, com um aumento de 8,14 pontos percentuais. A participação dos pobres subiu de 42,18% em 2019 para 50,32% 2021. No Acre, para o mesmo período, o aumento na participação dos pobres foi de somente 0,16 pontos percentuais. Na série histórica 2012- 2021, o maior percentual de pobres alcançado pelo Acre foi em 2017 (48,38%), 2,85 pontos percentuais, acima da taxa de 2021.

Os estado que tiveram ampliação expressiva da parcela de pobres foram: Rondônia (25,19% para 31,65%), Espírito Santo (21,38% para 27,30%), Bahia (42,43% para 47,33%) e Minas Gerais (20,94% para 25,25%). As únicas quedas de pobreza no período foram observadas em Tocantins (34,54% para 33,59%) e Piauí (45,84% para 45,81%). 0,03 pontos percentuais).

Em 2021, tanto Rio Branco quanto os municípios do interior viram a pobreza aumentar de forma mais aguda nas periferias da capital. O contraste em Rio Branco foi notável: a proporção de pobres na capital, de 2020 para 2021, cresceu mais que 6 pontos percentuais, ao passo que no restante dos municípios o aumento foi de 3 pontos percentuais.

Com informações Ac24horas

COLUNISTAS

128 POSTS0 COMENTÁRIOS
38 POSTS0 COMENTÁRIOS
4 POSTS0 COMENTÁRIOS
2 POSTS0 COMENTÁRIOS
- Advertisement -spot_img