sexta-feira, agosto 19, 2022
21.3 C
Rio Branco
sexta-feira 19 agosto 2022

Acre não apresenta mesma tendência nacional de vendas no comércio, diz assessor da Fecomércio

POR Assessoria

Egídio Garó afirmou que o Estado restringiu o volume de vendas do varejo restrito em -1,6%, e a receita nominal, em -1,3%, quando comparado ao mês anterior

O Acre não apresentou a mesma tendência de aumento no volume de vendas do comércio varejista, que cresceu 0,1% em maio segundo a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) divulgada na última semana pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com o assessor da presidência da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Acre (Fecomércio-AC), Egídio Garó, o Estado restringiu o volume de vendas do varejo restrito em -1,6%, e a receita nominal, em -1,3%, quando comparado ao mês anterior.

Em maio, o volume de vendas no comércio varejista brasileiro cresceu 0,1%, ainda segundo o IBGE; o crescimento foi o quinto seguido, mas abaixo da expectativa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), que projetava alta de 0,4% para o mês.

De acordo com Garó, o acumulado no ano e comparado ao mesmo período de 2021, é 3,7% de crescimento, além de 13,7% na receita nominal de vendas. “O mesmo se pode observar no varejo ampliado, que considera materiais de construção e veículos, retroagindo -2,2% no volume de vendas e -1,4% na receita nominal de vendas do que foi atingido no mês anterior. Com relação ao acumulado no ano, o volume de vendas no varejo ampliado foi de 0,8% e a receita nominal de vendas, também no varejo ampliado, de 12,1%”, disse.

Garó explicou também que os dados indicaram que a atividade varejista ao longo do mês de maio apresentou retração, mesmo considerando uma das datas mais importantes do comércio, que é o Dia das Mães. “Independentemente dos resultados obtidos no mês de maio, o comércio mantém uma expectativa positiva de crescimento e aceleração da atividade econômica ao longo do segundo semestre do ano”, afirmou.

Apesar da desaceleração, as estimativas da entidade para o setor são positivas no curto prazo, o que levou à revisão da previsão de variação do volume de vendas no varejo em 2022 de +1,7% para +2,0%. De acordo com análise da CNC, caso aprovada, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 1/2022 poderá representar um incremento de R$ 16,3 bilhões no comércio varejista. A previsão é que os ramos de hiper, super e minimercados (R$ 5,53 bilhões); combustíveis e lubrificantes (R$ 3,03 bilhões) e as lojas de tecidos, vestuário e calçados (R$ 2,32 bilhões) sejam os mais beneficiados pela aprovação total da PEC.

A medida, que, entre outros benefícios, pretende aumentar em 50% o valor do Auxílio Brasil e ampliar em 1,6 milhão o número de famílias atendidas pelo programa, tende a disponibilizar novos recursos para o consumo, segundo a avaliação do presidente da CNC, José Roberto Tadros. “Se, por um lado, essas iniciativas prolongam pressões inflacionárias; por outro, no curto prazo, ajudam a recompor a renda das famílias, dando fôlego às vendas no varejo”, avaliou.

O projeto, que deve custar cerca de R$ 41,2 bilhões aos cofres públicos, também apresenta potenciais efeitos reversos. É o que lembra o economista da CNC responsável pela pesquisa, Fabio Bentes. “Essa movimentação pode provocar impacto negativo sobre as vendas no médio prazo, especialmente em decorrência do prolongamento do aperto monetário”, afirmou.

COLUNISTAS

128 POSTS0 COMENTÁRIOS
38 POSTS0 COMENTÁRIOS
4 POSTS0 COMENTÁRIOS
2 POSTS0 COMENTÁRIOS
- Advertisement -spot_img