quinta-feira, julho 7, 2022
29.3 C
Rio Branco
quinta-feira 07 julho 2022

Mensagem de “massacre” causa pânico e suspensão de aulas em Rio Branco

POR Redação

Alunos e funcionários da escola estadual Armando Nogueira, localizada na Estrada Dias Martins, no bairro Distrito Industrial, em Rio Branco, viveram momentos de tensão e pânico no final da manhã desta sexta-feira, 3, após uma informação disseminada de que membros de facção invadiriam o local e causariam um massacre na instituição de ensino.

De acordo com informações da diretora da escola, Ada Cristina, o ocorrido foi uma espécie de “salve”, uma mensagem digitada na rede de wi-fi do celular de um aluno, que dizia “massacre na escola às 12:57”, que circulou verbalmente e em foto (print) entre alunos e grupos de WhatsApp da instituição de ensino pelo turno da manhã.

A gestora relatou à reportagem do <em><strong>ac24horas,</strong></em> que no dia anterior um criminoso armado pulou o muro da escola, rendeu três alunos, perguntou onde eles moravam e em seguida roubou o celular de um deles e fugiu.

“Nossos funcionários e vários alunos já estavam todos com medo e apreensivos devido o roubo do celular do aluno na escola. No momento do ocorrido, uma funcionária chegou até se trancar no banheiro com medo. Hoje, juntou o roubo de ontem e a informação de “massacre na escola às 12:57″, e o pânico foi disseminado na escola. Tivemos que cancelar as aulas pelo turno da tarde, porque vários professores e alunos estavam com medo”, disse a diretora.

Um funcionário que não identificaremos por motivo de segurança disse que membros de facção estão acostumados a pular o muro da escola frequentemente para jogar futebol na quadra localizada aos fundos da instituição de ensino e informou ainda que vários furtos vêm ocorrendo.

“Aqui é furtado a alimentação dos alunos, eles quebram a porta e furtam tudo. Outro dia, até um computador foi furtado e as fiações elétricas da piscina poliesportiva, que está servindo todo final de semana como banho para membros de facção. Já foi pedido para levantar o muro que é muito baixo e concertina com alarmes, mas nunca vieram resolver o problema”, relatou.

A diretora Ada Cristina informou à reportagem que chegou a encaminhar três ofícios à Secretaria de Educação, Cultura e Esportes (SEE) informando dos furtos frequentes na escola e roubos, pedindo segurança na instituição de ensino, porém até o momento nada foi feito.

“Precisamos de segurança, estamos sendo vítimas de furtos e roubos, já solicitei várias vezes seguranças, polícia no local, não podemos fazer mais nada, estamos correndo riscos e nada vêm sendo feito”, concluiu.

Fonte: Ac24horas

COLUNISTAS

128 POSTS0 COMENTÁRIOS
38 POSTS0 COMENTÁRIOS
4 POSTS0 COMENTÁRIOS
2 POSTS0 COMENTÁRIOS
- Advertisement -spot_img