sábado, dezembro 4, 2021
25.3 C
Rio Branco
sábado 04 dezembro 2021

Preço da carne diminui 0,78% em outubro, mostra levantamento

POR Redação Folha do Acre
Depois de meses sofrendo consecutivas altas, o preço da carne bovina voltou a cair, segundo o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). Dados do instituto mostraram que o valor do item teve uma redução simbólica de 0,78% no mês de outubro. No entanto, o índice acumulado ainda representa um peso no bolso do consumidor, já que, somente este ano, o índice registrou alta 11,57%, além 21,51% a mais nos últimos 12 meses.
A redução do indicativo pode ser explicada pelo embargo da China, que deixou de comprar a carne do Brasil após animais terem sido diagnosticados com a doença da “Vaca Louca”, conforme explicou o economista Gilberto Braga. “A queda está associada com o embargo da China na carne bovina brasileira em razão das questões sanitárias. Esse embargo diminui a compra e por isso houve mais carne ofertada no mercado interno e isso é o que fez cair um pouquinho o preço da carne no atacado”.
Para ele, a diferença ainda não é perceptível aos olhos do consumidor, que está adaptado a preços muito menores. “Isso ainda não é muito aparente para o consumidor porque é como se, na prática, estivesse somente aumentando menos, já que a memória de preços ainda é de quando se comprava a carne muito mais barato”, acrescentou.
O economista e advogado Alessandro Azzoni ressaltou, ainda, que a queda no preço do item já era estava no radar dos especialistas: “A gente já esperava que a o preço da carne fosse sofrer uma queda, devido a paralisação das exportações para a China. O que acontece é que os frigoríficos têm que fazer o abate do boi e, bem ou mal, a carne tem o seu prazo de validade, assim como o que já está estocado no supermercado. Então, dois fatores que eu percebo é o excesso de oferta desse produto que acabou ficando no Brasil e o estoque nos mercados, que agora devem diminuir os preços sabendo que vão comprar a carne por um valor menor”.
Já o frango, outro alimento comum na alimentação dos brasileiros, registrou mais um aumento no mês de outubro. Segundo o IPC/Fipe, a alta chegou a 1,26% durante o período. Somente este ano, a ave cumulou uma alta de 32,71%, enquanto nos últimos 12 meses o aumento atinge a marca de 39,57%.
“A questão do preço do frango já é da substituição da proteína. Como o preço da carne estava elevado, a maioria dos consumidores passaram a comprar o frango, então isso é uma questão de oferta e demanda. Tem também o fator do aumento da energia elétrica para manter as aviculturas, além do aumento da ração, que impactou também tem influencia nessa alta”, concluiu Azzoni.
Meia Hora

COLUNISTAS

128 POSTS0 COMENTÁRIOS
38 POSTS0 COMENTÁRIOS
4 POSTS0 COMENTÁRIOS
2 POSTS0 COMENTÁRIOS
- Advertisement -spot_img