quinta-feira, dezembro 2, 2021
26.3 C
Rio Branco
quinta-feira 02 dezembro 2021

Edvaldo diz que governo acertou ao não embarcar no negacionismo de Bolsonaro, mas lembra retirada de auxílio no auge da pandemia no Acre

POR Assessoria

O deputado Edvaldo Magalhães (PCdoB) disse durante a sessão que homenageou trabalhadores da Saúde, que atuam no enfrentamento à pandemia da covid-19, que o governo do Acre acertou quando não “embarcou no negacionismo” defendido pelo governo Bolsonaro.

“Desde o primeiro dia em que decretamos estado de calamidade pública, eu realcei sempre, que foi o maior acerto do governo do Acre, foi não embarcar na canoa furada do negacionismo. Onde se subestimou a pandemia, os óbitos se multiplicaram. Esse foi o grande acerto, Alysson. Nossa geração vai ficar marcado por ela [pandemia]. O povo brasileiro descobriu nesta pandemia a importância do SUS. O povo descobriu a importância do SUS na necessidade”, disse o parlamentar ao defender o fortalecimento do Sistema Único de Saúde.

Edvaldo Magalhães acrescentou dizendo que é preciso avançar nas pautas da Saúde. “Por outro lado, não podemos tapar o sol com a peneira porque tem um débito entre o poder público com os principais personagens do SUS, que são os trabalhadores. O SUS não sobrevive sem carreiras fixas, perenes. O SUS não se sustenta com terceirização, só se sustenta com carreiras de estado”.

O parlamentar lembrou a luta dos deputados estaduais para que o governo aprovasse e prorrogasse em alguns momentos o pagamento do Auxílio Temporário em Saúde (ATS). Ele destacou que o Auxílio foi retirado no auge da pandemia da covid-19. Edvaldo, inclusive, apresentou requerimento pedindo o retorno dos pagamentos aos trabalhadores.

“Foi uma polêmica muito grande para cria o Auxílio Temporário de Saúde. A extensão do benefício foi restrita. No momento mais delicado, no momento mais agudo da pandemia, no ápice da segunda onda, o benefício foi retirado. Era pequeno, mas foi retirado. Foi retirado em novembro, houve uma grita, voltou em dezembro. Depois faltou em janeiro, fevereiro, março, abril… e só voltou em julho foi restituído. No momento mais difícil, e mesmo com o benefício retirado nenhum profissional de Saúde deixou de fazer o que vinha fazendo. É por isso que na hora de homenagem a gente tem o dever de fazer a meia culpa, não faltava recursos. Naquele momento o Acre tinha um superávit de 13%. Foi uma ausência de decisão política adequada”, disse o parlamentar ao lembrar o episódio.

COLUNISTAS

128 POSTS0 COMENTÁRIOS
38 POSTS0 COMENTÁRIOS
4 POSTS0 COMENTÁRIOS
2 POSTS0 COMENTÁRIOS
- Advertisement -spot_img