quinta-feira, setembro 23, 2021
25.3 C
Rio Branco
quinta-feira 23 setembro 2021

Acusado de matar a cunhada em Rio Branco tem 10 dias para apresentar defesa na Justiça

POR Redação Folha do Acre

Luciana de Matos foi achada morta e o cunhado foi preso pelo crime. Diego Pereira deve ser ouvido nos próximos dias.

A Justiça do Acre deu um prazo de dez dias para que Diego Marques Pereira, de 30 anos, acusado de matar a cunhada Luciana Lima de Matos, de 41 anos, responda às acusações do processo. Luciana foi achada morta em uma área de mata próximo às Quatro Bocas, em Senador Guiomard, no interior do Acre, em abril deste ano, após três dias desaparecida.

A justiça dá o prazo para que Pereira possa responder à acusação, por escrito, no prazo de 10 dias, por meio advogado e se ele tem advogado particular ou se vai precisar de um defensor. Um segundo acusado, que teria escondido a arma do crime também foi denunciado.

Ele virou réu no processo ainda em maio e responde pelos crimes de homicídio qualificado por feminicídio, uma vez que a vítima tinha um grau de relacionamento com ele por ser cunhada, e ocultação de cadáver. Agora, nessa nova denúncia aparece o segundo envolvido.

Indicou onde corpo estava

O corpo só foi achado após o próprio cunhado indicar o local onde tinha jogado a vítima. Luciana morava em Mato Grosso há muitos anos e tinha chegado no Acre para visitar a família há cerca de duas semanas. No dia 11 de abril, a vítima foi até a casa de uma irmã, no Conjunto Habitacional Cidade do Povo, e sumiu.

Mesmo depois de ter assumido o crime e indicado onde achar o corpo da cunhada, em depoimento à Polícia Civil, ele mudou a versão. Ele era casado com a irmão da vítima desde 2009.

No depoimento, o suspeito disse que é usuário de drogas e que havia passado a noite usando cocaína com a vítima e que os traficantes haviam ficado desconfiado dele ter ido comprar droga pela segunda vez. Segundo o suspeito, os traficantes achavam que ela era informante de uma facção rival

Pereira conta que então às 8h, quando a mulher dele saiu para trabalhar e a filha de 8 anos dormia, dois membros de uma facção criminosa invadiram a casa e mataram a vítima estrangulada na frente dele. Depois disso, ele conta que foi obrigado a colocar o corpo da mulher no carro e dirigir até o local onde o corpo foi encontrado. Destacou ainda que não ajudou no homicídio e que estava sob ameaça. Versão que é contestada pela família.

O suspeito estava foragido de Rondônia (RO) e já tem passagens na polícia por vários crimes como homicídio e também estupro. Além disso, ele usava tornozeleira eletrônica, mas tinha rompido o aparelho. Ele permanece preso no Complexo Prisional Rio Branco.

Laudo inconclusivo

O delegado informou que o laudo cadavérico ficou como inconclusivo. “Pelo estado em que estava o corpo da vítima, eles não conseguiram identificar a causa da morte de Luciana. No laudo não veio nenhum indício de abuso sexual”, disse Ribeiro.

Com relação à versão dada pelo acusado de que dois homens teriam entrado na casa e matado a vítima, o delegado afirmou que duas pessoas ainda chegaram a ser identificadas e ouvidas, mas não ficou comprovada participação de outras pessoas no crime.

“Essas duas pessoas estavam no momento em que ele foi linchado pela população assim que voltou para o bairro, antes da chegada da polícia. Um deles até teria agredido ele no momento. Acreditamos que ele deu o nome desses dois para tirar dele [as acusações] e colocar nos outros. Eles foram ouvidos, mas nada indica participação de outras pessoas nesse crime”, afirmou.

G1

COLUNISTAS

128 POSTS0 COMENTÁRIOS
38 POSTS0 COMENTÁRIOS
4 POSTS0 COMENTÁRIOS
2 POSTS0 COMENTÁRIOS
- Advertisement -spot_img