sábado, setembro 18, 2021
27.3 C
Rio Branco
sábado 18 setembro 2021

CoronaVac e AstraZeneca reduzem em 75% e 90% risco de morte por covid, diz estudo

POR CZH

Pesquisa foi baseada em informações de 75,9 milhões de brasileiros vacinados entre 18 de janeiro e 24 de julho deste ano

Um estudo publicado na plataforma medRxiv – ainda sem revisão de pares – revela que a vacina CoronaVac, do Instituto Butantan, tem aproximadamente 75% de eficácia contra hospitalização, uso de unidade de terapia intensiva (UTI) e morte por covid-19 no Brasil. A Vaxzevria, imunizante da AstraZeneca, teve 90% aproximadamente de eficácia avaliada pelo estudo. A pesquisa foi baseada em 75,9 milhões de brasileiros vacinados entre 18 de janeiro e 24 de julho.

– A vacinação com Vaxzevria (AstraZeneca) ou CoronaVac foi eficaz contra a infecção por SARS-CoV-2 e altamente eficaz contra hospitalização, admissão na UTI e morte em indivíduos até 79 anos – concluem os pesquisadores no estudo.

O estudo é assinado por pesquisadores da Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz), Universidade Federal da Bahia, Universidade Federal de Ouro Preto, Universidade de São Paulo, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Universidade de Brasília e da London School of Hygiene & Tropical Medicine.

Os dados apontam que há redução gradual da eficácia para ambas vacinas em indivíduos acima de 80 anos, que, segundo o estudo, “podem se beneficiar de uma dose de reforço”.

– Vaxzevria (AstraZeneca) demonstrou eficácia geral contra covid-19 grave até 89 anos e da CoronaVac até 79 anos de idade – dizem os pesquisadores.

De 80 a 89 anos, o imunizante Vaxzevria (AstraZeneca) teve 89,9% de eficácia contra morte e a CoronaVac 67,2%. Para acima de 90 anos, a proteção pela Vaxzevria foi de 65,4% e de 33,6% pela CoronaVac.

Segundo os pesquisadores, trata-se do primeiro levantamento nacional para verificar a efetividade dos imunizantes no Brasil.

–Altas taxas de transmissão do vírus e a presença de variantes preocupantes podem afetar a eficácia da vacina. Ambas as condições ocorrem em países de baixa renda, que usam principalmente tecnologias de vetores de vacinas ou vírus inativados – apontam os pesquisadores no estudo.

COLUNISTAS

128 POSTS0 COMENTÁRIOS
38 POSTS0 COMENTÁRIOS
4 POSTS0 COMENTÁRIOS
2 POSTS0 COMENTÁRIOS
- Advertisement -spot_img