segunda-feira, setembro 27, 2021
32.3 C
Rio Branco
segunda-feira 27 setembro 2021

Defensora da modernização da regularização fundiária, Mara Rocha comemora aprovação do PL que regulamenta aumento no tamanho de terras da União passíveis de regularização sem vistoria prévia

POR Assessoria

A Deputada Federal Mara Rocha, que tem seu mandato voltado para a defesa do produtor rural  e  que trabalha por mudanças no processo de Regularização Fundiária, comemorou,juntamente com a Bancada da Agricultura e Pecuária da Câmara Federal, a aprovação do Projeto de Lei 2633/20,  que aumenta o tamanho de terras da União passíveis de regularização sem vistoria prévia, bastando a análise de documentos e de declaração do ocupante de que segue a legislação ambiental.

A proposta passa de 4 para 6 módulos fiscais o tamanho da propriedade ocupada, que poderá ser regularizada com dispensa de vistoria pelo Incra.

O texto especifica que será obrigatória a vistoria se o imóvel for objeto de embargo ou de infração ambiental; tiver indícios de fracionamento fraudulento; se o requerimento for feito por procuração; se houver conflito declarado ou registrado na Câmara de Conciliação Agrária; se houver ausência de indícios de ocupação anterior a 2008; ou se o tamanho for maior que 6 módulos fiscais.

Por outro lado, para alcançar o limite de 6 módulos o texto permite a soma de áreas contíguas cujos ocupantes sejam parentes em linha reta de primeiro grau ou colateral de segundo grau.

Mara Rocha afirmou que a aprovação do PL  2633/20 é um grande avanço e beneficiará milhares de produtores.

A aprovação desse PL é um grande avanço na regularização fundiária, uma das minhas principais bandeiras de campanha. É importante esclarecer que a regularização é uma ferramenta que oferecerá segurança jurídica para os produtores rurais, auxiliará a fiscalização e identificação de infratores, garantindo a aplicação da lei”.

A parlamentar, que já destinou mais de R$ 2 milhões em emendas para promover a regularização fundiária no Acre, explicou a importância do Projeto para o controle do desmatamento:

A titulação de terras é ponto fundamental para a redução do desmatamento ilegal. Dados do Projeto de Monitoramento da Floresta Amazônica Brasileira por Satélite (PRODES) de 2019 mostram que cerca de 25% dos desmatamentos foram realizados em assentamentos de reforma agrária ainda não titulados e outros 25% em terras públicas não destinadas. Com o título de propriedade, o produtor terá acesso a crédito, programas governamentais e inovações tecnológicas que asseguram a competitividade e a sustentabilidade dos negócios, mas também identificará proprietários e garantirá uma maior fiscalização sobre a conservação ambiental. Assim, a titulação de terras contribui com a geração de emprego e o aumento da renda dos pequenos produtores e, consequentemente, com o desenvolvimento do país”, finalizou Mara Rocha.

COLUNISTAS

128 POSTS0 COMENTÁRIOS
38 POSTS0 COMENTÁRIOS
4 POSTS0 COMENTÁRIOS
2 POSTS0 COMENTÁRIOS
- Advertisement -spot_img