Connect with us

Rio Branco, Acre,

 

Destaque

Após denúncia, Ministério Público do Acre apura abandono da Biblioteca da Floresta

Publicado

on

Ponto turístico de Rio Branco, biblioteca está fechada desde 2019 para reforma e manutenção, mas não se vê obras no local. MP-AC instaurou procedimento preparatório para investigar situação.

Após denúncia feita nas redes sociais relatando o abandono de um dos pontos turísticos de Rio Branco, a Biblioteca da Floresta, o Ministério Público do Acre instaurou um procedimento preparatório para apurar a falta de manutenção do local. A portaria foi publicada no Diário Oficial do Órgão na sexta-feira (28).

A apuração vai ser feita pela Promotoria de Justiça Especializada de Habitação e Urbanismo e Defesa do Patrimônio Histórico e Cultural em um prazo de 90 dias.

No documento, o promotor Alekine Lopes determina que a Casa Civil seja oficiada sobre a apuração e que informe qual providência vai ser tomada diante do problema. O G1 entrou em contato com a porta-voz do governo para saber quais medidas estão sendo tomadas e se há previsão de obras no local, mas não obteve resposta até última atualização desta reportagem.

O prédio com traços da cultura indígena e que traz uma mistura da arquitetura moderna com as construções típicas da Amazônia, está parado no tempo, bem no Centro de Rio Branco.

O local está fechado para reforma e manutenção, conforme cartaz fixado na porta, desde 2019. No entanto, não se vê nenhum indício de que o local passa por qualquer tipo de obra. Pelo contrário, imagens mostram um prédio abandonado, com paredes cheias de infiltrações e banheiros sujos.

A biblioteca foi inaugurada em outubro de 2007 e reúne pesquisa e acervo, impresso e digital e visual, acerca da Amazônia, especialmente do Acre e de suas populações tradicionais como índios, seringueiros, ribeirinhos e parteiras.

O prédio, com três andares, tem cinema com lugares para 82 pessoas e terminais de acesso à internet. A obra, de R$ 3,8 milhões, é estadual, mas teve financiamento no BNDES.

Ao G1, o presidente da Fundação Elias Mansour (FEM), Manoel Gomes, informou que a Biblioteca da Floresta está com um projeto de reforma concluído, no entanto, não há recursos para colocar em prática a obra. Segundo ele, o acervo do local está preservado.

“O estado entrou em faixa amarela há menos de um mês, com presença de 50% de público. Então, se o governo lança um decreto de não aglomeração, de não utilização dos espaços, como que a gente abre os espaços? Por outro lado, temos que ter a compreensão que a biblioteca está extremamente preservada no seu interior, no seu acervo. O que ela precisa, assim como vários espaços públicos, é de reforma, revitalização, e para isso, obviamente, precisa ter recurso. Temos o projeto da Biblioteca da Floresta, mas precisa ter esse custeio”, disse.

Gomes informou ainda que a maior intervenção que precisa ser feita na biblioteca é com relação ao auditório e que no restante dos espaços, as ações vão ser mínimas. “O auditório quando chove ele alaga. Então, precisamos fazer essa correção. O projeto está pronto, mas precisamos captar recurso.”

G1

Publicidade

Facebook

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas