Connect with us

Rio Branco, Acre,

 

Polícia

Avô é preso acusado de abusar e engravidar neta de 13 anos no Acre

Redação Folha do Acre

Publicado

on

Homem foi levado para a delegacia de Marechal Thaumaturgo na noite de segunda (15) para prestar esclarecimentos. Menina contou à família que era abusada desde os 6 anos pelo avô e está grávida dele há dois meses. Idoso é suspeito ainda de abusar de outras duas netas, de 6 e 10 anos.

Um idoso de 73 anos foi levado à delegacia de Marechal Thaumaturgo, no interior do Acre, suspeito de estuprar e engravidar a neta de 13 anos. O homem teria ainda abusado de outras duas netas, de 6 e 10 anos. Ainda nesta terça-feira (16) a Justiça expediu o mandado de prisão contra o homem e ela será conduzido ao presídio.

Em depoimento à polícia, ele confessou o abuso contra a neta de 13 anos, mas negou das outras duas. O caso foi denunciado pela família no domingo (14) para um servidor do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) de Cruzeiro do Sul.

O servidor buscou a polícia da cidade, que montou uma equipe e encaminhou os policias para Marechal Thaumaturgo. A família mora na Comunidade Triunfo, zona rural de Marechal Thaumaturgo. Ao chegar no local, os policiais verificaram a situação, viram a menor grávida e levaram o idoso para a delegacia na noite de segunda-feira (15).

Menina vai ser acompanhada por psicóloga: ‘abalada’

Nesta terça (16), a Polícia Civil levou a menina ao médico para exames de conjunção carnal e ficou comprovado o abuso. Além disso, o exame mostrou que a menina está no segundo mês da gravidez. Ela foi acompanhada por uma policial civil.

Ao G1, a servidora, que pediu para não ter o nome divulgado, contou que a adolescente vai se consultar com uma enfermeira na quarta (17) para iniciar os procedimentos de pré-natal e o acompanhamento com uma psicóloga. Segundo a policial, a menina está muito abalada e contou que era ameaçada de morte pelo avô se contasse sobre os abusos.

“Estou fazendo primeiro a oitiva dela, exames de conjunção carnal e acompanhamento psicológico. Ela vai ser acompanhada por uma psicóloga porque está muito abalada com essa situação, grávida do próprio avô”, contou.

O caso vai ser acompanhado pelo delegado Heverton Roberto Bandeira de Carvalho.

Abusos

Os abusos teriam iniciado quando a menina tinha seis anos, sob ameaças de mortes. A vítima morava com os avós maternos desde os três anos. A mãe dela mora na mesma comunidade e próximo da casa dos pais. A mulher é mãe de outras duas meninas de 6 e 10 anos.

Após a avó morrer, há dois anos, os abusos ficaram mais constantes. Ela passou a morar apenas com o avô e um tio, que trabalha no roçado, e na ausência dele o idoso aproveitava para abusar da neta.

“Em janeiro deste ano, no dia 11, ela [adolescente de 13 anos] falou que foi a última vez que a menstruação dela veio. Passou fevereiro, março e deduziu que estaria grávida e contou para a mãe o que tinha acontecido. Disse que não relatou os fatos antes porque ele ameaçava de morte e depois se mataria, caso ela contasse para alguém. Dizia que preferia morrer a ser preso”, explicou a servidora.

Na quinta (11), a menina deixou a casa do avô e se mudou para a casa da mãe. Após saber do crime, a mulher falou com os irmãos dela e decidiu denunciar o caso.

“Se viu encurralada porque todo mundo ia ver que a barriga ia crescer e contou para a mãe dela. Após ser descoberto sobre a neta que morava com ele, ela informou que ele também já tinha aliciado as irmãs dela, uma de 10 e outra de 6 anos”, complementou.

Medo e ameaça de morte

Em depoimento, a mãe das meninas falou que as outras filhas também relataram, com muito medo, os abusos do avô. Para esconder o crime, o idoso também ameaçava as netas de morte e dizia que ele iria preso. Segundo a polícia, os familiares afirmaram que nunca desconfiaram dos crimes e ficaram todos em choque.

“A menina [de 10 anos] não queria falar por nada, depois de muita luta que contou. A menina de seis anos falou que uma vez estava sentada no colo dele assistindo televisão quando foi abusada por ele”, concluiu.

G1

Publicidade

Facebook

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas