Connect with us

Rio Branco, Acre,

 

Geral

Secretário cita guerra de “gato e rato” para evitar aglomerações e pede respeito à vida

Redação Folha do Acre

Publicado

on

O Secretário de Justiça e Segurança Pública, coronel Paulo Cézar Santos, publicou desabafo em suas redes contra as aglomerações que continuam a acontecer em todo o estado, mesmo com decreto de emergência e a proibição em vigor, além e dizer que só o fechamento do comércio não vai mitigar a contaminação. Para Paulo Cézar, “percebo que o Estado está só nesta guerra e regras que limitem apenas o funcionamento regular de empresas e/ou estabelecimentos comerciais não mitigarão o índice de contaminação”.

Em termos fortes, o secretário classificou a situação como uma guerra de “gato e rato” na fiscalização feita pelas forças de segurança do Estado durante a bandeira vermelha e disse que o maior desafio é provocar empatia nas pessoas. Ele diz que é fundamental “fazer surgir no seio da população o senso de coletividade, ou seja, que vivemos em sociedade e o comportamento inadequado de qualquer um gera danos ao coletivo”

Ressalta que esse tipo de fiscalização já é uma atividade extraordinária, que não faz parte da ação cotidiana do policial. E é feita no sentido de auxiliar os que na verdade, têm o poder de polícia e de fiscalização dos estabelecimentos”.

O coronel ressalta que, embora parte da sociedade estar cumprindo as medidas de distanciamento e os protocolos sanitários, outra parcela da população ignora as orientações. Diz que “o Estado está sufocado, com diversas frentes extraordinárias de ação, e boa parte de sua capacidade de respostas está estrangulada”.

Ele ainda registra que, nos eventos de aglomeração registrados na Gameleira nos últimos dias, o coronel revela que os cidadãos driblam os bloqueios. “O local foi fechado pela RBTrans e pelo Batalhão de Trânsito, mas as pessoas deixavam os carros até no Bairro XV, depois voltavam a pé e ocupavam o passeio público”.

Eis a íntegra do desabafo do secretário de Segurança Paulo Cezar dos Santos:

“Percebo que o Estado está só nesta guerra e regras que limitem apenas o funcionamento regular de empresas e/ou estabelecimentos comerciais não mitigarão o índice de contaminação. Temos que fazer surgir no seio da população o senso de coletividade, ou seja, que vivemos em sociedade e o comportamento inadequado de qualquer um gera danos ao coletivo. Acredito que esse é o maior desafio nesse momento, pois a fiscalização tem sido uma guerra de gato e rato, bem como a observância de parcela significativa da sociedade sem máscara ou qualquer outro cuidado sanitário tem sido regra. Existem diversos esforços concomitante à fiscalização, que já é uma atividade extraordinária, pois não faz parte da ação cotidiana do policial. A fiscalização das forças de segurança é no sentido de auxiliar aqueles que na verdade têm o poder de polícia e de fiscalização dos estabelecimentos. Não percebo a sociedade preocupada, ou parcela dela, pois não podemos generalizar e culpar a todos. O Estado está sufocado, com diversas frentes extraordinárias de ação, e boa parte de sua capacidade de respostas está estrangulada. Para você ter uma ideia, o Calçadão da Gameleira foi fechado pela RBTrans e pelo Batalhão de Trânsito, mas as pessoas deixavam os carros até no Bairro XV, depois voltavam a pé e ocupavam o passeio público”.

A Tribuna

 

Publicidade

Facebook

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas