Connect with us

Rio Branco, Acre,

 

Geral

Em Rio Branco já choveu mais de 88% do esperado para todo mês de fevereiro

Redação Folha do Acre

Publicado

on

Para todo mês de fevereiro são aguardados cerca de 285 milímetros de chuva na capital acreana. Chuvas já fizeram Rio Acre transbordar duas vezes e atingir diversas famílias.

Apenas nos primeiros 16 dias de fevereiro, a capital acreana, Rio Branco, já registrou 253,3 milímetros de chuva. O número representa mais de 88% do esperado para todo o mês, que é 285 milímetros. Os dados são da Defesa Civil Estadual.

Com as fortes chuvas, o Rio Acre já transbordou duas vezes esse ano, sendo a última vez no domingo (14) quando marcou 14,18 metros, sendo 18 centímetros acima da cota de transbordo, que é 14 metros.

A enchente desabriga cerca de 29 famílias e desaloja outras 54 na capital acreana em 16 bairros do município até esta terça-feira (16). A Defesa Civil Municipal levou os desabrigados para três escolas e para o Parque de Exposições Wildy Viana, onde foram construídos cerca de 100 boxes.

O parque recebeu os primeiros desabrigados na tarde dessa terça. Seis famílias do bairro Taquari já ocupam o local após a enchente.

Enxurrada

Apenas entre os dias 4 e 6 de fevereiro choveu mais de 170 milímetros em Rio Branco. A chuva causou uma enxurrada, que fez com que seis igarapés transbordassem. Pelo menos 40 bairros foram atingidos.

Entre os igarapés que transbordaram estão: Igarapé do Almoço, São Francisco, Dias Martins, Batista, o Igarapé da ETA e o Judia.

Várias famílias foram atingidas, sendo que os desabrigados foram levados para três escolas e uma igreja do município. Parte desses moradores já voltaram para suas casas.

Devido à situação, a Prefeitura de Rio Branco declarou situação de emergência. O decreto foi publicado na edição do último dia 9 no Diário Oficial do Estado.

Válido por 180 dias

O decreto de situação de emergência tem validade de 180 dias. Nesse período, de acordo com o documento, fica autorizada a mobilização de todos os órgãos municipais para atuarem nas ações de resposta ao desastre. Essas ações vão ser coordenadas pela Defesa Civil e Gabinete de Crises.

Também fica autorizada a convocação de voluntários para reforçar as ações e para a realização de campanhas de arrecadação de recursos e doações, com o objetivo de facilitar a assistência à população afetada.

As autoridades administrativas e os agentes de defesa civil, diretamente responsáveis pelas ações, em caso de risco iminente, estão liberados:

Adentrar nos imóveis, para prestar socorro ou para determinar a pronta evacuação;

Usar de propriedade particular, no caso de iminente perigo público, assegurada ao proprietário indenização, se houver dano.

O decreto libera ainda o início de processos de desapropriação, por utilidade pública, de propriedades particulares comprovadamente localizadas em áreas de risco.

Por fim, estão dispensadas as licitações de contratos de aquisição de bens e de prestação de serviços e de obras relacionadas com a reabilitação dos cenários dos desastres, desde que possam ser concluídas no prazo máximo de 180 dias.

G1

Publicidade

Facebook

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas