Connect with us

Rio Branco, Acre,

 

Destaque

Durante enterro, família é informada que o corpo do motorista de aplicativo vítima de Covid-19 teria sido trocado

Kenedi Rodigues

Publicado

on

Francisco das Chagas Miranda morreu com Covid-19 no Into-AC na terça (5) e família fez o enterro nesta quarta (6). Horas após o enterro, a família foi informada pela Funerária Morada da Paz de que corpo de motorista pode ter sido trocado.

A família do motorista de aplicativo Francisco das Chagas Miranda, de 40 anos, que morreu de Covid-19 na noite de terça-feira (5), procurou uma delegacia de Rio Branco nesta quarta (6) para relatar um possível caso de troca de cadáveres. É que os familiares receberam uma ligação da coordenação da Funerária Morada da Paz alertando que o corpo enterrado no período da manhã não era de Miranda.

O motorista estava internado no Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia do Acre (Into-AC) desde o dia 26 de dezembro de 2020. Na noite de terça, ele não resistiu à doença e morreu.

A família foi informada e, na manhã desta quarta, esteve no Into-AC para fazer o reconhecimento de Miranda e se preparar para o cortejo até o cemitério.

A também motorista de aplicativo e amiga de Miranda, Diva Gadelha, disse que o amigo tinha complicações no pulmão e já foi internado no Into-AC com pneumonia. Miranda foi enterrado na parte da manhã e, por volta das 15 horas, a família recebeu uma inesperada ligação da funerária.

“O cortejo foi marcado para iniciar às 10 horas, fizemos o cortejo do Into para o [Cemitério] Morada da Paz. O corpo já estava dentro do caixão, tudo certo. A funerária disse que tínhamos enterrado a pessoa errada e o nosso Francisco ainda estaria no Into, que seria enterrado às 16h30”, afirmou.

Confusão no hospital
Ao retornarem no Into-AC, Diva revelou que a família pediu para que o caixão de uma segunda vítima fosse aberto para confirmar se o corpo era de Miranda. Foi aí que os parentes viram que também não era o motorista.

“A mulher não queria entrar para a gente reconhecer. Ele estava com a etiqueta Francisco das Chagas Miranda, que é o nosso, mas não era ele. Tivemos a informação agora de que a esposa de outro Francisco, porque saíram daqui três Franciscos, estava aqui para reconhecer o corpo. Ou seja, enterraram o nosso Francisco não sei onde. Não sabemos de nada”, lamentou.

Ainda segundo Diva, o amigo pode ter sido realmente enterrado no lugar de outro pessoa ou houve apenas a troca das etiquetas de identificação dos cadáveres. Se for a segunda opção, a família de Miranda recebeu o corpo dele e o enterrou.

“Não sabemos se realmente é ele, se houve apenas a troca do nome, mas como é que a funerária iria pegar um Francisco que não fosse o nosso, se tinha o prontuário? Tem um corpo aqui no Into, que a gente iria enterrar, mas não é ele. Não sabemos se enterramos o certo ou se a família desse homem que está aqui enterrou o nosso Francisco”, criticou.

Diante da confusão, a família de Miranda acionou a polícia. A equipe da PM afirmou que a exumação de cadáveres só pode ser feita com ordem judicial. Com isso, os familiares foram registrar um boletim de ocorrência na Delegacia do Conjunto Tucumã.

G1 AC

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Facebook

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas