Connect with us

Rio Branco, Acre,

 

Destaque

Clã Bestene custa mais de R$ 2 milhões de reais por ano aos acreanos

Gina Menezes

Publicado

on

A familiocracia ainda impera no Acre de 2021 e os custos são altos a serem pagos pelos cofres públicos. Somente uma família da tradicional política acreana, os Bestenes, uma espécie de feudo, custa aos cofres públicos mais de R$ 2 milhões de reais por ano. Os Bestenes ocupam lugares chaves nas estruturas de poder do Acre. Somente em locais chaves, os Bestenes têm um deputado na Assembleia Legislativa do Acre, José Bestene, o líder do clã, um vereador recém-eleito para Rio Branco, Samir Bestene, um secretário de Estado de Saúde, Alysson Bestene, um diretor na Fundação Hospitalar, o genro do deputado Bestene, Marcelo de Lima, a nora do deputado que é diretora da Agência Reguladora dos Serviços Públicos do Acre (Ageac), Mayara Lima, e uma recém-nomeada secretária de Educação de Rio Branco, Nabiha Bestene, que foi exonerada no dia 5 de janeiro de 2021 de um cargo no governo do Estado onde recebia uma CEC-7.

Apenas contando os vencimentos de cada membro do clã, em postos de alto escalão, somando salários e décimo terceiro, eles custam R$ 2.163.282.00 milhões de reais do bolso dos acreanos anualmente.
A reportagem não contabilizou a verba indenizatória do deputado José Bestene porque não há informações públicas disponíveis.

O salário do deputado José Bestene, assim como dos demais parlamentares, é R$ 23 mil reais, de acordo com as últimas informações fornecidas pela Assembleia Legislativa do Acre que não dispõe de portal transparência em operação. Fora o salário, o depurado dispõe de R$ 50 mil reais mensais do que é chamado de verba de gabinete, sem contar com a verba indenizatória que a reportagem não teve acesso. Somente os valores declarados acima totalizam que José Bestene custa R$ 889 mil reais aos cofres públicos por ano.

Com o clã espalhando-se e consolidando uma espécie de feudo nos moldes da idade média, o filho do deputado José Bestene, Samir Bestene, foi um dos vereadoras mais bem votado de Rio Branco e passará a ter um salário de R$ 12 mil reais e mais R$ 30 mil de verba de gabinete. Samir custará aos cofres de Rio Branco R$ 516.000 mil reais ano.

A nora do deputado José Bestene, Mayara Lima, responde como diretora da Ageac com um salário estimado em R$ 15,8 mil. A moça recebe anualmente, contando com 13º salário, o total de R$ 205 mil reais.

O genro do deputado José Bestene, Marcelo Lima, que responde como diretor da Fundação Hospitalar, recebe R$ 15,8 mil e também custa R$ 205 mil reais aos cofres públicos.

Nabiha Bestene, que no último ano ganhou um salário de R$ 7,1 mil na Secretaria de Saúde como cargo em comissão referência 7, custava aos cofres públicos R$ 92,3 mil reais. A convite do prefeito Tião Bocalom, Nabiha assumiu a pasta de secretaria de Educação com salário de R$ 12 mil reais e passará a custar anualmente R$ 156 mil reais aos cofres públicos. Anualmente os Bestenes, somente os do alto escalão, custam mais de R$ 2 milhões de reais pagos com dinheiro do contribuinte.

“Fomos eleitos e trabalhamos para honrar os salários”, diz vereador Samir

Recém-eleito vereador por Rio Branco, o filho de José Bestene, Samir Bestene (PP), conversou com a reportagem da Folha do Acre sobre os ganhos da família e quantos eles custam aos cofres públicos.

O mais jovem do clã afirmou que enxerga o fato com naturalidade, haja vista que os dois parlamentares foram eleitos democraticamente e que os demais também trabalham para honrar seus salários.

“Fomos eleitos pelo voto popular. Não vejo nada demais nisso. Todos prestam serviços”, diz.

Publicidade

Facebook

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas