Connect with us

Rio Branco, Acre,

 

Adriano Gonçalves

AGENDA 2030 – Sociedade, Economia e Nova Ordem Mundial

Adriano Goncalves

Publicado

on

A pandemia de coronavírus marca uma guinada definitiva na história da civilização. Ela pode ser o acontecimento inaugural de um ciclo catastrófico ou o ponto de inflexão para uma mudança profunda. Rendidos pelas forças da natureza, como diante de um “dilúvio” ou de um terremoto, nunca fomos tão frágeis. Tememos a morte, não sabemos para onde vamos e as previsões de longo prazo que tentávamos traçar ruíram por completo, tanto na vida pessoal, como nos planos estratégicos de governos e empresas. Ninguém sabe o amanhã.

Alguns estudiosos chegam a dizer que se trata do colapso do capitalismo industrial. Outros falam que o modelo de Estado-Nacional, construído no final do século 18, está sofrendo um golpe fatal, para o início da Nova Ordem Mundial.

Seja como for, o que se verifica, neste momento, é o fortalecimento do Estado como força protetora dos cidadãos. E em meio ao caos ­— confinados no aconchego do lar — temos a oportunidade de aproveitar o tempo para colocar em prática a máxima do filósofo grego Sócrates: “Conhece-te a ti mesmo”, estampada, há 2,5 mil anos, no oráculo de Delfos, um dos epicentros espirituais da Antiguidade.

Isolamento até 2022

Ficará dessa crise uma inibição da livre circulação de pessoas, seja no meio urbano, dentro dos países ou entre as Nações. Um estudo da Universidade de Harvard, publicado na revista Science, mostra que o isolamento, ainda que intermitente, deve se perpetuar até 2022.

A crise e o isolamento permitem desenvolver novas habilidades socioemocionais, como disciplina, persistência e autocontrole

As pessoas vão se acostumar com o isolamento, que não significa solidão. Laços familiares podem ser reforçados ou, por outro lado, romper-se a partir da convivência forçada.

Amizades verdadeiras podem nascer, para reconhecermos os amigos é necessário passar pelo sucesso e pela desgraça. “No sucesso, verifica-se a quantidade e na desgraça, a qualidade”. Já vivemos o sucesso na fase áurea do capitalismo digital e agora é hora de enfrentar o infortúnio, a crise civilizacional, a fragilidade humana diante de uma ameaça microscópica.

É na doença, que se reconhecem os verdadeiros amigos ou pelo menos quem se preocupa por nós. “Somos seres competitivos por natureza, o que tem um alto custo emocional, e agora temos oportunidade de nos tornar mais colaborativos”, afirma o psiquiatra Ricardo Moreno, diretor do grupo de estudos de doenças afetivas do Hospital das Clínicas da USP. “Todos temos a capacidade de criar estratégias e mecanismos para se adaptar a um novo estilo de vida e superar o estresse e a depressão”.

Há, finalmente, uma percepção crescente de que o consumo desenfreado é desnecessário.

A vontade acumulativa sofrerá um baque. A percepção da própria vulnerabilidade tende a trazer sabedoria. Ficar em casa consigo mesmo, seus pensamentos e seus fantasmas, é uma chance de superar o medo recorrente da vida e da morte. O coronavírus faz as pessoas experimentarem uma espécie de prisão domiciliar ainda não vivida nas sociedades contemporâneas.

A psicóloga Janete Munhoz diz que é comum as pessoas olharem somente para fora, mas o distanciamento social faz com que olhem para dentro e aí “aparecem os medos, tristezas, angústias, fragilidades”. “Por isso, as pessoas procuram tanto shoppings, viagens, bares”, completa. Líder de uma entidade filantrópica, Janete sente que algo já mudou. “Triplicou o número de doações de cestas básicas”, comemora. Há uma vontade real de ajudar.

Ela entende que a sociedade vai mudar muito e que as pessoas vão se voltar mais para a espiritualidade e o autoconhecimento.

 

Na esperança de dias melhores,

ADRIANO GONÇALVES
Coach Ministerial – Personal Coaching

(Academy of Business and Coaching) Associado IAC –International Association of Coaching.

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Facebook

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas