Connect with us

Rio Branco, Acre,

 

Destaque

Acusado de estuprar filha de 6 anos no Acre é condenado a mais de 19 anos de prisão

Redação Folha do Acre

Publicado

on

Criança sofreu abusos entre 2002 a 2013 na cidade de Acrelância, no interior do estado. Caso foi descoberto após vítima contar para amiga de escola.

A Justiça acreana acatou, parcialmente, um recurso e reduziu para 19 anos e quatro meses de prisão a pena de um pai acusado de abusar da filha de 6 anos na cidade de Acrelândia, interior do Acre.

O acusado entrou com apelação contra a sentença proferida no Juízo da 2ª Vara da Infância e Juventude da Comarca de Rio Branco, que condenou o réu a 21 anos, dois meses e 29 dias de prisão em regime inicial fechado.

A Justiça destaca que o acusado sempre negou o crime. O G1 não conseguiu contato com a defesa do réu.

Criança contou para colega de escola
Os crimes foram praticados entre 2002 e 2013, quando a vítima tinha 6 anos. Em depoimento, a vítima afirmou que o pai começou com atos libidinosos. Entre 2008 e 2009, os abusos passaram para conjunção carnal.

O processo revela também que a menina era ameaçada caso denunciasse o pai. O caso só foi descoberto quando a vítima contou, chorando, para uma amiga de escola. A menina, então, revelou para a mãe quando chegou em casa, e essa contou para a assistente social na faculdade, que chamou a polícia.

“E, ainda, servindo de base para a condenação e em total consonância às declarações da vítima e dos demais depoentes, consta o relato em juízo da testemunha, que à época dos fatos era amiga e estudava com a vítima, e em audiência e na presença de todos, deu detalhes de todo o abuso sofrido por sua amiga vítima”, detalha o processo.

A criança relatou também para a amiga que temia contar os abusos para a mãe. Na época dos abusos, a menina morava com a mãe, o pai e o irmão.

Apelação

Na apelação, o acusado alegou ter recebido uma carta da vítima, depois do julgamento, afirmando que tinha feito a denúncia sob a influência de outras pessoas. Contudo, o relator do caso, desembargador Luis Camolez, afirmou que a argumentação do acusado não tinha sustentação uma vez que as provas das investigações e os depoimentos das testemunhas comprovaram o crime.

“Ademais, é preciso notar que a condenação ora refutada, não se baseou tão somente no depoimento da vítima, mas em um conjunto probatório que inclui os depoimentos judiciais de várias testemunhas, todos já transcritos”, reafirmou.

G1

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Facebook

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas