Connect with us

Rio Branco, Acre,

 

Polícia

Acusado de matar o próprio irmão durante bebedeira é absolvido por júri popular

Redação Folha do Acre

Publicado

on

Crime ocorreu em maio de 2019 em uma colônia em Boca do Acre (AM), próximo de Sena Madureira e homem foi preso ao chegar no porto da cidade do interior do Acre. Júri popular foi no Fórum de Sena Madureira na última segunda-feira (5).

Após cerca de sete horas de julgamento, Reginaldo da Silva Freire, de 27 anos, preso em maio de 2019 acusado de matar o próprio irmão, foi absolvido do crime de homicídio. O júri popular ocorreu na última segunda-feira (5) no Fórum de Sena Madureira, no interior do Acre.

Acrinaldo da Silva Freire, de 45 anos, foi morto com um tiro de escopeta no dia 22 de maio de 2019 na zona rural da cidade de Boca do Acre, no Amazonas, vizinha do Acre. Freire foi preso logo em seguida em uma embarcação no Rio Iaco, em Sena Madureira, enquanto tentava fugir, segundo informou a polícia na época.

Por conta da pandemia, Freire acompanhou o julgamento por videoconferência. Em interrogatório durante o júri, Freire disse não lembrar de nada que aconteceu no dia do crime.

Um laudo psiquiátrico diagnosticou o acusado como semi-imputável ou seja, apesar de aparentar ser uma pessoal saudável mentalmente, ele não tem plena capacidade de entender o caráter ilícito do ato que cometeu.

O advogado dele, Silvano Santiago explicou que a defesa usou várias teses para pedir a absolvição do réu, entre elas a falta de provas para confirmar a autoria, legítima defesa, já que Freire estava com um corte na cabeça no dia que foi preso e também o fato do acusado não ter o completo conhecimento do faz.

“No decorrer do processo foi feita uma perícia médica nele e essa perícia declarou que ele tinha semi-imputabilidade, ou seja, ele tinha parcial compreensão da situação. Apresentei várias teses defensivas e como é só um quesito que pergunta se o jurado absolve o réu, a gente não tem como dizer pelo que, exatamente, eles decidiram pela absolvição”, afirmou o advogado.

Ao final do julgamento, o juiz determinou que fosse expedido o alvará de soltura e Freire foi posto em liberdade ainda na segunda.

Com informações do G1

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Facebook

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas